CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

Mil torrentes (A fúria das marés)

"Mil torrentes, que aguardam meu singrar;
sazonal fúria, que tece a teia do mar;
águas, que desconhecem meu lenho
e ignoram a pátria de onde venho,
não temerei o humor de suas marés
enquanto estiver guardada em meu convés
a lei de Thelema, que minha nau protege
e a razão de nossa vida rege!

Quando eu, um dia, ao mar me lançar
e de suas belas águas fazer o meu lar,
quero viver uma inédita vida
e nunca voltar dessa sonhada ida!
O desconhecido fascina minh’ alma
e se a água está turva ou se a água está calma,
estarei a sorrir ou estarei a chorar
e o sal de meu pranto juntar-se-á ao do mar.

Certa vez cheguei até a imaginar
um milhões de vozes a cantarolar
(ao fundo de um vazio pensamento,
saindo de meu corpo num momento)
a canção de um moderno trovador
com refrões de um eterno sonhador
que cantava por um mundo diferente
e chamava-nos, para si, toda a gente.

Imaginei um mundo sem fronteiras,
vidas felizes vividas inteiras
sem o dinheiro e sem a luxúria;
nunca causávamos da natureza a fúria;
sem interferências de religião,
sem a maldade em nosso coração;
mas, ao acordar desse meu devaneio,
vi que meu sonho era um mero anseio.

A vontade da natureza nos é oculta
e sua busca em nada nos resulta;
como a areia clara em água rasa
que se esconde tal o preto da brasa
do carvão, quando está a se queimar:
quanto mais funda a água se tornar,
menor o nosso poder de compreender,
apesar da areia, lá embaixo, ainda jazer.

Tal o canto da sereia a enfeitiçar
os ouvidos dos marujos, a cantar,
e, sem compreendê-lo, ainda o seguem:
assim as vontades do acaso nos regem.
Quantas notas deste canto entorpecem!
Os poderes da natureza estabelecem
quais navios continuam a navegar
e quais aqueles ela deve afundar..."

[size=xx-small][font=Courier]Minha pequena canção épica (vejam também as partes II, III e IV). Vejam também os meus outros textos, comentem, ficarei feliz em receber comentários.[/font][/size]

Submited by

domingo, maio 2, 2010 - 21:35

Poesia :

Your rating: None (3 votes)

MaynardoAlves

imagem de MaynardoAlves
Offline
Título: Membro
Última vez online: há 5 semanas 6 dias
Membro desde: 05/02/2010
Conteúdos:
Pontos: 596

Comentários

imagem de MaynardoAlves

Mil torrentes (A fúria das marés)

Reflexões de um marinheiro prestes a se lançar ao mar numa viagem que representa o voluntário exílio e isolamento do mundo na busca pelo autoconhecimento.

imagem de Henrique

Re: Mil torrentes (A fúria das marés)

Rimas bem conseguidas num poema forte!!!

:-)

imagem de MaynardoAlves

Re: Mil torrentes (A fúria das marés)

Muito obrigado, Henrique!

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of MaynardoAlves

Tópico Título Respostas Views Last Postícone de ordenação Língua
Poesia/Aforismo O vinhedo universal 0 123 05/07/2019 - 16:59 Português
Poesia/Meditação Metamorfose filosófica: bênção ou maldição? 1 208 12/03/2018 - 16:23 Português
Poesia/Intervenção Aos vivos que ficam ou Epitáfio II 1 352 10/09/2018 - 13:41 Português
Poesia/Geral Meu pequeno depoimento em prol do ateísmo 0 360 09/26/2018 - 01:17 Português
Poesia/Geral Revolucionário... revolucionário!? 1 275 09/25/2018 - 18:12 Português
Prosas/Outros Meu pequeno depoimento em prol do ateísmo 0 315 09/19/2018 - 20:13 Português
Poesia/Meditação O legado de um filósofo 1 290 09/17/2018 - 20:45 Português
Poesia/Intervenção Os novos mandamentos (ou melhor, conselhos) 1 361 08/29/2018 - 00:53 Português
Poesia/Fantasia O jardim de Epicuro 1 364 08/22/2018 - 17:14 Português
Poesia/Tristeza Em (des)construção 1 319 08/10/2018 - 15:46 Português
Poesia/Tristeza Máquina do tempo 1 341 08/08/2018 - 17:28 Português
Poesia/Tristeza Valores familiares 1 340 08/08/2018 - 17:21 Português
Poesia/Pensamentos Um lugar para chamar de seu 1 426 08/08/2018 - 17:14 Português
Poesia/Meditação Humilde-se! 1 436 05/21/2018 - 12:41 Português
Poesia/Tristeza Um inferno (para um poeta) 1 488 05/21/2018 - 12:34 Português
Prosas/Outros Onde? 2 363 03/08/2018 - 18:41 Português
Poesia/Comédia Meu amigo ócio 4 369 03/06/2018 - 16:20 Português
Poesia/Geral Promessas para uma vida nova 2 502 03/05/2018 - 21:09 Português
Poesia/Meditação Se Deus existisse... 4 476 03/05/2018 - 20:56 Português
Poesia/Intervenção Onde? 18 601 01/03/2018 - 19:28 Português
Poesia/Meditação Um instante infinito 1 473 11/17/2017 - 15:00 Português
Poesia/Desilusão Ainda no exílio (desde os dias de Gonçalves Dias) 1 468 11/08/2017 - 12:38 Português
Poesia/Canção Sem título (por luto) 1 483 10/27/2017 - 15:34 Português
Poesia/Geral Mensagem 1 492 03/27/2017 - 14:50 Português
Poesia/Aforismo O exagero de Sócrates 0 403 10/14/2016 - 20:50 Português