CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

Mil torrentes IV (A fé dos nautas)

"A fé que nos rege, nos guia e nos guarda,
quando em perigo, nos serve e nos arma.
Por mais que incerta seja minha sina,
minhas leis e verdades me livram da guilhotina.
As inscrições em latim em meu casco
aqui se referem a meus amigos castos
que nunca me deixam e nunca me abandonam
e sempre me ajudam a direcionar minha lona.

Por mais que eu me sinta sozinho no mar,
não tenho vontade de ao lar retornar,
pois a sociedade acaba com o encanto
da vida que aqui levo, relato e canto!
Não entendem minha busca pelo auto-saber,
nem sabem do que estou atrás a correr.
Busco o mistério e o sentido da vida,
pois outrora dela acenei despedida!

De tantas perguntas para poucas respostas
estão nossas almas desnudas e expostas!
De poucas respostas para tantas perguntas
estão nossas almas vestidas e besuntas!
Se todos parassem de sobreviver
e, então, começassem mesmo a viver,
viriam que a vida é tão simples e bela
e a felicidade está contida nela!

Já fui bem feliz quando, em ignorância,
não me questionava; ainda não tinha a ânsia
por tudo saber e a tudo dominar,
ainda sabia me maravilhar
com coisas pequenas e coisas simples,
mesmo que delas só via as esfinges!
Já foi muito fácil me satisfazer
com pouco a pensar e com pouco a saber!

Viver a vida sem se questionar,
passar os dias sem filosofar,
ver certas coisas sem se perguntar...
seria, assim, fácil com tudo lidar.
Mas, quanto mais sei, mais quero conhecer,
e ao aprender, menos sinto saber!
Quanto mais de mim eu me aproximar,
poderei, de tudo, mais longe estar!

Às vezes me sinto tão desanimado,
vencido, caído e, por vezes, cansado...
Mas, olho ao redor e para dentro de mim
e lembro do início, do meio e do fim
da minha jornada tão espetacular
que há muito se iniciou e há muito para acabar.
Parece-me, às vezes, que o que mais sinto
é que nada disto faz o menor sentido!

E para enfrentar meu espontâneo calvário,
recorro à oração do nauta solitário:

'Oração do nauta solitário:

Meu amigo Sol,
que o bom dia traz,
do horizonte surge por detrás,
guie-me como um farol
para que, segura, ao atol
chegue minha nau tenaz.

Meu amigo Vento,
que o bom caminho cria,
de longe vem e me guia,
seja o amigo atento
para que, ao relento,
eu não sofra em agonia.

Meu amigo Céu,
que, de bom lar, me serve,
de todo lugar se ergue,
cubra-me com seu véu
para que, ao léu,
eu não fique, e me preserve.

Minha amiga Água,
que à boa maré dá forma,
aos lados me cerca e contorna,
leve a minha mágoa
para que não seja árdua
a saudade que minha alma deforma.

Meu amigo Fogo,
que minha alma aquece,
tudo esteriliza e enobrece,
não permita que o jogo
deste mundo demagogo
afaste-me de minha prece.

Meu amigo Ar,
que me provê bons ventos,
é o mais vital dos elementos,
não permita que eu deixe de respirar
enquanto não conseguir alcançar
meus mais nobres intentos.

Minha amiga Terra,
que boa mãe é,
começa onde termina a maré,
peça ao Deus que o tempo altera
para que o clima que a tempera
satisfaça a minha fé.

Minha amiga Lua,
que a boa noite clareia,
da luz de meu farol se faz cheia,
ilumine a minha rua
para que a minha vista nua
guie-me até a areia.

Meu amigo Deus,
que me faz um bem-aventurado,
que está em tudo neste santuário,
a natureza é o seu relicário,
esteja sempre ao lado meu
para que eu nunca caia no breu;
e com estes amigos que me deu
e, por ser você o melhor amigo meu,
enfrento sem medo meu calvário
e nunca me sinto solitário.'"

[size=xx-small][font=Courier]Vejam também as partes I, II, III. Vejam também os meus outros textos, comentem, ficarei feliz em receber comentários.[/font][/size]

Submited by

terça-feira, maio 4, 2010 - 20:17

Poesia :

Your rating: None (3 votes)

MaynardoAlves

imagem de MaynardoAlves
Offline
Título: Membro
Última vez online: há 15 semanas 16 horas
Membro desde: 05/02/2010
Conteúdos:
Pontos: 597

Comentários

imagem de MaynardoAlves

Mil torrentes IV (A fé dos nautas)

Uma tentativa do marinheiro de justificar sua decisão pelo exílio e isolamento; a demonstração de que a fé é o que move a vontade humana (sem, obviamente, referir-se à fé religiosa e, sim, à crença de que podemos fazer muito). Deus, aqui, representa a própria natureza, o próprio universo e as leis que os regem.

imagem de Henrique

Re: Mil torrentes IV (A fé dos nautas)

Bom poema!!!

:-)

imagem de MaynardoAlves

Re: Mil torrentes IV (A fé dos nautas)

Muito obrigado, Henrique!

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of MaynardoAlves

Tópico Título Respostas Views Last Postícone de ordenação Língua
Poesia/Aforismo O vinhedo universal 1 567 02/06/2020 - 14:39 Português
Poesia/Meditação Metamorfose filosófica: bênção ou maldição? 1 587 12/03/2018 - 16:23 Português
Poesia/Intervenção Aos vivos que ficam ou Epitáfio II 1 690 10/09/2018 - 13:41 Português
Poesia/Geral Meu pequeno depoimento em prol do ateísmo 0 601 09/26/2018 - 01:17 Português
Poesia/Geral Revolucionário... revolucionário!? 1 578 09/25/2018 - 18:12 Português
Prosas/Outros Meu pequeno depoimento em prol do ateísmo 0 714 09/19/2018 - 20:13 Português
Poesia/Meditação O legado de um filósofo 1 569 09/17/2018 - 20:45 Português
Poesia/Intervenção Os novos mandamentos (ou melhor, conselhos) 1 788 08/29/2018 - 00:53 Português
Poesia/Fantasia O jardim de Epicuro 1 770 08/22/2018 - 17:14 Português
Poesia/Tristeza Em (des)construção 1 686 08/10/2018 - 15:46 Português
Poesia/Tristeza Máquina do tempo 1 707 08/08/2018 - 17:28 Português
Poesia/Tristeza Valores familiares 1 801 08/08/2018 - 17:21 Português
Poesia/Pensamentos Um lugar para chamar de seu 1 744 08/08/2018 - 17:14 Português
Poesia/Meditação Humilde-se! 1 740 05/21/2018 - 12:41 Português
Poesia/Tristeza Um inferno (para um poeta) 1 903 05/21/2018 - 12:34 Português
Prosas/Outros Onde? 2 700 03/08/2018 - 18:41 Português
Poesia/Comédia Meu amigo ócio 4 747 03/06/2018 - 16:20 Português
Poesia/Geral Promessas para uma vida nova 2 903 03/05/2018 - 21:09 Português
Poesia/Meditação Se Deus existisse... 4 779 03/05/2018 - 20:56 Português
Poesia/Intervenção Onde? 18 1.091 01/03/2018 - 19:28 Português
Poesia/Meditação Um instante infinito 1 831 11/17/2017 - 15:00 Português
Poesia/Desilusão Ainda no exílio (desde os dias de Gonçalves Dias) 1 821 11/08/2017 - 12:38 Português
Poesia/Canção Sem título (por luto) 1 782 10/27/2017 - 15:34 Português
Poesia/Geral Mensagem 1 848 03/27/2017 - 14:50 Português
Poesia/Aforismo O exagero de Sócrates 0 631 10/14/2016 - 20:50 Português