CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

Breve história ou uma história para sempre


Sentia dores na alma mas era no corpo que se projectavam. Saiu apressadamente do escritório, mal balbuciando um até amanhã aos colegas.
Galgou os quilómetros e refugiou-se no seu quarto. Escureceu-o, queria alhear-se…Contudo as palavras determinadas e ditas apressadamente,, pelo telemóvel obsessivamente permaneciam.
Sonhara tanto! Vivera intensamente aqueles meses com a rapariga com a qual se cruzara na livraria perto de casa. Nunca a tinha visto. Bastou um breve olhar quando ambos iam reirar da estante o livro apetecido..Um sorriso divertido e prolongado surgiu espontâneamente, numa fixação de olhares que os olhos não quiseram desviar. O díálogo aconteceu, após troca de gentilezas ocas, monissílábicas…
A solidez relacional enriquecia-se a cada momento vivido. Passou a ser a sua vida. A dela também, assim pensava. Em pouco tempo sabiam tudo um do outro. Não que houvesse vivências assim tão diferentes jovens na casa dos vinte. Vinte e sete ele, vinte e cinco, ela. Amadurecidos, contudo.
Deslumbramento, paixão, amor, sentimentos que pensara nunca vir a sentir em tão curto espaço de tempo. Por vezes, dava por ele, a sentir calafrios, um temor sem razão. Uma ansiedade que o desconcentrava de tarefas que sempre foram a sua prioridade. A carreira, na qual apostara, perdendo saídas com amigos, era de somemos importância agora.
“Miguel, não vou estar mais contigo. Não queiras saber pormenores. Não me procures. Acabou.” Desligou de imediato. Ficou inactivo, por alguns momentos. Reagiu e ligou. Silêncio, a não ser o sinal de chamada. Tentou mais umas vezes.. Desistiu. Ruiu. Saiu mais cedo. Questionava-se mas soube logo que entrara num luto sem saber o porquê…
Hoje seria o primeiro dia de um calvário que teria de aprender a percorrer, com alguma dignidade. Como? Sozinho sentia que não conseguiria…
“ Mãe, ainda demoras a chegar a casa? Preciso de ti, do olhar que me acalmava e fazia dos meus medos, passos seguros”, disse, quase num sopro de voz.
“Estou aqui, filho, não deste pela minha presença…”
Soergueu-se e logo sentiu os braços que se lhe estendiam. Envolveu-se neles. As lágrimas podiam, finalmente, correr por tempo indefinido.
Odete Ferreira
29-06-2011

 

Submited by

domingo, julho 10, 2011 - 01:08

Prosas :

No votes yet

Odete Ferreira

imagem de Odete Ferreira
Offline
Título: Membro
Última vez online: há 1 ano 3 semanas
Membro desde: 01/11/2011
Conteúdos:
Pontos: 1924

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of Odete Ferreira

Tópico Título Respostas Views Last Postícone de ordenação Língua
Poesia/Tristeza Entardecer com sabor a despedida 1 1.557 03/15/2018 - 13:59 Português
Poesia/Tristeza Música 1 1.386 03/15/2018 - 13:58 Português
Poesia/Desilusão Apenas mais um dia 1 2.006 03/15/2018 - 13:57 Português
Poesia/Meditação Se a vida fosse sempre assim 1 1.454 03/15/2018 - 13:56 Português
Ministério da Poesia/Fantasia Seres incompletos 3 1.754 03/15/2018 - 13:56 Português
Prosas/Outros No sopé da montanha 1 860 03/08/2018 - 19:01 Português
Poesia/Meditação Tempo(s) 1 1.543 03/08/2018 - 18:43 Português
Poesia/Fantasia Surrealidades 1 1.327 03/08/2018 - 18:42 Português
Poesia/Tristeza Emocão 5 1.769 03/08/2018 - 16:48 Português
Poesia/Dedicado Mulher-Dor 3 977 03/08/2018 - 16:14 Português
Poesia/Intervenção E a festa veste-se em cada madrugada 3 1.603 02/27/2018 - 11:43 Português
Poesia/Meditação À míngua 0 1.416 12/30/2015 - 22:36 Português
Poesia/Intervenção Não invoquem o meu nome em vão 0 1.829 11/25/2015 - 02:18 Português
Prosas/Outros Da alma 0 883 09/01/2015 - 19:58 Português
Poesia/Fantasia Surreal XXVIII 0 1.302 09/01/2015 - 19:29 Português
Poesia/Intervenção Da destemperança 0 2.479 08/26/2015 - 01:35 Português
Poesia/Meditação E no entre-Tanto faço caminho 0 1.663 07/02/2015 - 23:55 Português
Poesia/Meditação E continuamos pequeninos! 0 2.273 06/02/2015 - 20:15 Português
Poesia/Intervenção Nem te renego nem me nego 0 2.035 04/25/2015 - 02:08 Português
Poesia/Dedicado Laudatória 0 1.093 03/24/2015 - 19:03 Português
Poesia/Dedicado És...Mulher 0 1.565 03/08/2015 - 18:53 Português
Poesia/Amor Vida(s) 0 1.438 02/14/2015 - 18:07 Português
Poesia/Amor Moras nos meus sonhos 0 1.632 02/13/2015 - 16:30 Português
Poesia/Dedicado Olhares 0 2.405 01/22/2015 - 01:58 Português
Prosas/Outros Do exato momento da VIragem 0 1.504 12/30/2014 - 14:27 Português