CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

CONTACTO ALIENÍGENA - AOS OLHOS DE QUEM VÊ...

* * *

Ela conduzia o automóvel em direcção a casa. A noite ia adiantada mas já não faltava muito para chegar. Ainda pensara em pernoitar num hotel e partir pela manhã, mas sentiu necessidade de contar as novidades aos seus familiares de viva voz e por isso prescindira de lhes telefonar.

Sim, ela acabara de ganhar o concurso de beleza ao qual concorrera e ficara apurada para a final a nível nacional, algo que apenas em sonhos parecia ser possível.

“Sou uma das vinte mais belas do país “ – cantarolou de contentamento.
A noite estava escura e límpida e as estrelas cintilavam no céu. Seguia numa estrada secundária sem movimento àquela hora, mas já antes fizera este percurso e nada parecia estragar a sua alegria.

Mas de súbito, depois de uma curva mais acentuada, deparou-se com umas luzes brilhantes que provinham de algum veículo estranho que pairava sobre a estrada, aí a uns dois metros do solo.

Travou a fundo e ficou meio cega, debaixo do feixe de luzes. Colocou as mãos à frente dos olhos para tentar vislumbrar alguma coisa, mas naquele instante as luzes mais fortes desligaram-se, ficando apenas uma luz mais fraca a iluminar a cena.

Entretanto o veículo pousara na estrada e uma porta abriu-se, saindo dela um vulto indefinido que se dirigiu a ela. Uma voz grossa com um sotaque carregado, ecoou na noite:
“Não tenhas receio, terráquea!... Venho em paz e pretendo apenas falar contigo”.
A moça estava assustadíssima e nem sequer conseguiu sair do automóvel, ficando a olhar o vulto aproximar-se. Viu que ele trajava um fato complexo e que a sua cabeça não estava visível.

E num passo impreciso o ser chegou-se a um metro dela e tirou um capacete do tipo espacial.

Ao contemplar aquelas feições, a moça não aguentou mais a emoção e desmaiou.

O Alienígena observou toda a cena com uma expressão estranha e demonstrando um raro embaraço, dirigiu-se de novo à sua nave, partindo de imediato rumo ao espaço.
***
***

Quando ela acordou as ideias estavam completamente baralhadas na sua cabeça.
Não conseguiu perceber quanto tempo se passara desde aquele estranho encontro... aparentemente não tinham passado mais que uns minutos e tudo parecia estar inalterável.

O carro e as luzes continuavam ligados e além desse facto, nada parecia perturbar o silêncio da noite.

Antes de recomeçar a marcha, permaneceu ali um pouco no carro, tentando harmonizar as ideias... Tudo lhe parecia um sonho demasiado cruel. Mais que um sonho: um pesadelo horroroso!

Por Deus, nunca imaginara que podia existir uma criatura tão horrenda!
Ao rever mentalmente aqueles enormes olhos vermelhos e aquelas feições verdes e rugosas de réptil, sentiu-se impelida a vomitar...
***
***

Já o planeta era um pequeno ponto no espaço quando ele retomou o controlo de todas as faculdades. Respirou fundo e pensou nas recomendações sensatas fornecidas pelo alto comando.

A experiência de centenas de testemunhos colhidos por um sem número de desventurados irmãos acabara por dar alguns resultados, mas ainda muito longe daquilo que é desejável.

Parte desses irmãos perderam tudo, inclusive a sanidade mental, mas outros ainda conseguiram transmitir informações que aos poucos vão servindo para cumprir os desígnios da paz universal.

Um dia a harmonia entre todos os povos será possível, mas no caso dos habitantes da Terra não está a ser nada fácil, apesar de séculos e séculos de tentativas de aproximação.

Ainda estava presente na sua memória aqueles olhos frios como a própria morte e aquelas feições de uma brancura verdadeiramente arrepiante...

Também a reacção da terráquea, desmaiando ao constatar a excelência do seu porte, é a mais comum de acontecer, tendo em conta anteriores encontros – acredita-se ser uma defesa intuitiva destes seres primitivos ao sentirem-se na presença de alguém tão superior.

Como ultrapassar o problema se ninguém consegue suportar a presença destes seres e se eles insistem em ficar desacordados?!

Por Deus, por mais filmagens e fotos a que tenha assistido, por muitos dias de preparação mental, nunca imaginara sentir tanto medo, nem que podiam existir criaturas tão horrendas!

Só de pensar nisso, sentiu-se impelido a vomitar novamente...
***
***

23.04.2012, Henricabilio

Submited by

quinta-feira, junho 21, 2012 - 16:37
No votes yet

Henricabilio

imagem de Henricabilio
Offline
Título: Membro
Última vez online: há 5 anos 42 semanas
Membro desde: 03/15/2012
Conteúdos:
Pontos: 1480

Comentários

imagem de Henricabilio

com esta atmosfera

com esta atmosfera incomum
tentei transmitir uma situação que acontece vulgarMente
na nossa sociedade hipócrita
- tantos olhos e tão poucas maneiras de ver do mesmo jeito.

Grato pela presença!

Abilio Henriques

imagem de Odete Ferreira

Gostei deste

Gostei deste relato ficcionado, amigo Henricabilio. Bem escrito e prendendo o leitor.

Parabéns!

Bjo :)

imagem de Henricabilio

Este tipo de contos está a

Este tipo de contos está a ter boa receptividade...
mas como é pouco comentado gostaria de saber
quem e em que circunstâncias os lê pois possuo mais escritos.

Saudações

Abilio

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of Henricabilio

Tópico Título Respostas Views Last Postícone de ordenação Língua
Poesia/Meditação Nem sempre existe Poesia em ti... 24 1.254 08/31/2018 - 02:34 Português
Poesia/Dedicado DEDICATÓRIA: TU QUE VIAJAS COMIGO. 4 586 02/27/2018 - 10:42 Português
Poesia/Desilusão Pesadelo número três 1 590 06/04/2013 - 09:50 Português
Poesia/Fantasia POEMA ESCRITO ENQUANTO DORMIA 3 722 03/25/2013 - 21:49 Português
Poesia/Pensamentos criArte: Autores versus Leitores 1 714 02/07/2013 - 01:49 Português
Poesia/Intervenção Ou você se cala oh você se - ode 4 611 01/28/2013 - 19:10 Português
Poesia/Meditação Uma árvore tem sempre esperança 1 641 12/09/2012 - 16:19 Português
Poesia/Meditação Absurdos existenciAis 3 900 11/29/2012 - 23:11 Português
Poesia/Intervenção Poema por linhas tortas 3 869 11/21/2012 - 14:38 Português
Prosas/Ficção Cientifica CONTACTO ALIENÍGENA - No tempo em que os homens falavam 6 1.861 11/16/2012 - 17:03 Português
Prosas/Ficção Cientifica CONTACTO ALIENÍGENA - A MORTE QUE VEIO DO ESPAÇO 1 821 11/08/2012 - 20:08 Português
Poesia/Meditação Testamento poÉtico 2 652 10/13/2012 - 22:40 Português
Poesia/Amizade Dar à palavra o sentimento 3 538 09/25/2012 - 20:14 Português
Poesia/Alegria À pedra no meio do caminho 6 688 09/16/2012 - 17:28 Português
Poesia/Meditação Poema Big Bang 3 1.528 08/21/2012 - 22:29 Português
Prosas/Ficção Cientifica CONTACTO ALIENÍGENA - AOS OLHOS DE QUEM VÊ... 3 4.383 08/11/2012 - 22:40 Português
Prosas/Ficção Cientifica CONTACTO ALIENÍGENA - A GAIOLA 2 3.923 08/11/2012 - 22:20 Português
Ministério da Poesia/Geral VAMOS FAZER UM HAIKAI?!... 5 839 08/11/2012 - 22:16 Português
Poesia/Poetrix 7 jogos de palavras em 7 poetrix 8 954 07/16/2012 - 08:47 Português
Prosas/Mistério COM UM ÚNICO TIRO... (Microconto) 5 663 07/08/2012 - 00:04 Português
Poesia/Alegria Um poema breve, muito breve 15 842 07/05/2012 - 22:28 Português
Poesia/Meditação PEÇO PERDÃO 12 728 06/23/2012 - 16:36 Português
Poesia/Meditação Novo Poema ao Espelho|ohlepsE 4 826 06/22/2012 - 21:04 Português
Poesia/Geral Criatividade versus censura 8 851 06/10/2012 - 22:10 Português
Ministério da Poesia/Meditação As nascentes das ideias 5 826 05/28/2012 - 21:51 Português