CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

Crime...Disse ele!

O sujeito estacionou o Ford cinzento, diante do velho edificio.
Acabara agora de chover e ele dava uma ultima olhada ao cabelo bem penteado, com gel,de corte limpo e clássico.
Tez morena e olhos brilhantes compunham um rosto angelical, saltou para fora do veículo, com um sorriso próprio de quem se orgulha do que faz, e dando um ultimo jeito na gravata Giorgio Armani, em tons azulados, segurou nos lábios finos, o resto do Marlboro, que fumegava ao ritmo dos seus passos.
Era a primeira vez que visitava o Porto e esperava ele, a ultima. Não gostava da cidade, pois por norma, não gosta de chuva, sobretudo em abril. E os sapattos que ele optara por usar, não se revelavam a escolha acertada, pois escorregavam como sabão no piso molhado.
Estacando diante da entrada do edificio, ele sorriu e levado pelo improviso, cortou uma rosa vermelha do jardim da entrada do prédio e entrou.

No segundo piso, a jovem de cabelos ondulados e olhos verdes, mordiscava a cauda da caneta BIC, sonhando com preaia e verão, quando ele entrou.
Por uns segundos, deteve-se imóvel a observá-lo.De Armani vestido, parecia um galã, saìdo de um filme de espionagem e sem saber como, cativara-a aquele olhar calmo e um sorriso franco:
-Bom dia, em que posso ser util?
Sem se deter, debruçou-se sobre o balcão e entregando-lhe a rosa, retorquiu serenamente:
-Gostaria de falar com o Sr. Bastos!
-Com certeza. Tem hora marcada?
-A Morte nunca tem hora marcada!
Um arrepio percorreu-lhe a espinho e estudou-o momentaneamente. Como ele continuava sereno e a sorrir, encolheu os ombros e indagou:
-Quem devo anunciar?
-Betencourt. Julien Betencourt!
-Muito bem, aguarde um momento, por favor.
Gingando sobre os calcanhares, dirigiu-se até á pequena porta ao fundo, enquanto Julien estudava as suas unhas metódicamente tratadas e cuidadas.
Uns minutos passaram, até que ela surgiu sorridente:
-O Sr. Bastos, vai recebê-lo agora. Siga-me por favor.
Julien esboçou um aceno com a cabeça e segiu-a, absorvendo o aroma de maçãs verdes que ela usava como colónia.
Num modo profissional e atento, ela abriu a porta, estendendo a palma da mão para o interior, convidando-o a entrar. Ele entrou, e segredou algo em francês ao ouvido dela, que a fez rir e só depois de ela ter fechado a porta encarou o seu anfitreão:
Bastos era um sujeito quarentão, (que contrastava com os vinte e tres anos de Julien, calvo, pequeno e algo gordo). Bastos tinha começado a sua actividade de Economista, numa pequena Industria de Conservas em Vila do Conde, e hoje era um dos mais bem falados economistas da Cidade.
O pequeno sujeito, estudou-o momentaneamente, e levantando-se apressou-se a cumprimentá-lo:
-Bom dia, em que lhe posso ser Util?
Julien dirigiu-lhe o olhar, e mostrando-se incrédulo com o que via, confirmou:
-Bom dia. O meu nome é Julien Betencourt e creio que não vim ao engano. Sr. António Barros?
-Correcto.
-António de Sousa Barros?
-Sim.
-Residente na Rua Valverde 540, que conduz um Mercedes SLK prateado?
-Correcto.
-Pai de duas meninas menores e casado com...
-Sim, sou eu. Por favor, de que se trata a sua visita?
-Negócios.
-Optimo. E que tipo de negócios estamos a falar?
Julien sorriu, e sem desviar o olhar do seu anfitreão, passou a mão pelo rosto bem barbeado, cruzou as pernas e clarificou:
-Justiça.
-Como?
-Justiça.
-Ah caro amigo. Sou contabilista, não advogado.
-Contabilista?
-Sim...
-Não, não é!
-Como?
-Não é contabilista.
-Ai não? Então o que eu sou?
-Um abusador de menores e violador de crianças inocentes.
O ar de pânico invadiu momentaneamente os pequenos olhos de Bastos, para de seguida se levantar iradamente e ameaçar:
-Mas quem se julga que é? Que história vem a ser essa?
Julien manteve-se impávido e sereno, contemplando o seu opositor. Depois, pausadamente levou o indicador ao lábio, e sugeriu por gestos que ele se sentasse.
Como que hipnotizado ele obedeceu. Gotas de suor escorriam na testa branca. O visitante aguradou uns segundos e calmamente, retirou duas fotos tripo pase da gabardine e colocou suavemente na frente dele:
-Creio que conheceu estas meninas, na sua quinta em Vila do Conde. Marte e Ana, gémeas, suicidaram-se á duas semanas.
-Nunca as vi, não sei do que fala!
Julien ergueu um dedo da mão direita, e sentenciou:
-Esta é a sua primeira mentira de hoje....Como lhe estava a dizer, elas foram violadas por si, durante um fim de semana...
-Chega. È preciso ter lata, não as conheço, nunca as vi.
Julien ergueu 2 dedos da mão direita, encostou-se na cadeira e descruzou as pernas, para de seguida, continuar:
-Houve um processo em tribunal, na qual esteve presenta na qualidade de réu. A mãe das pequenas era sua amiga de infância...
-Cale-se. Quem raio julga que é?
-Eu tenho muitos nomes. Mas para si, sou Julien.
-Chega, eu não tenho que tolerar isto em minha casa. Acaba aqui.
O visitante, num modo calmo, abriu cigarreira de prata, retirou um cigarro e sem desviar os olhos do anfitreão, continuou:
-Eu estou mesmo a terminar.
-Não pode fumar aqui....Inês....chame a policia.
Quando Bastos encarou o seu visitante, viu o revólver com silenciador,apontado para ele, e quando a jovem recepcionista surgiu, o pálido homem, ficou sem saber o que dizer. Foi Julien a tomar a palavra, rodando a cabeça na direção dela, num tom calmo e de sorriso rasgado, comentou:
-O Sr. Bastos está quase a morrer...por um café. Será que seria possivel...
-Com certeza. Trago café Sr.Bastos?
-Dois por favor. Ah, o meu com dois pacotes de açucar, que eu sou muito dado a doçuras.
A jovem aguardou um pouco, esperando a confirmação do seu superior, até que prontamente ele assentiu, com um ar carregado:
-Isso, traga dois cafés. A ver se isto acalma.
A jovem encolheu os ombros e retirou-se. Assim que a porta fechou, Julien afastou a gabardine, exibindo novamente o revolver, levantou-se e apontou-o na direção de Bastos:
-Está louco homem. Eu fui ilibado pela justiça, você não pode..
-Eu, Julien , pelo poder que me foi dado pelas mães de todas as crianças que molestou...
-Calma, vamos falar. Eu tenho recursos, podemos chegar a um acordo
-....por todas as crianças inocentes que violentou, e abusou..
-Eu passo-lhe um cheque. Em branco...a sério.
-...Declaro-o culpado e pecador. Seja feoita a Justiça divina.
-Não, espere eu..

....Tump...Tump...

Ao longe ouvia-se o trabalhara da máquina de café. Calmamente, Julien apagou o cigarro, guardou a beata no bolso. Do outro bolso, retirou a máquina Sony, tirou duas fotos. Rápidamente rodou a cadeira de Bastos, de modo a que ficasse de costas para a porta e comentou entre dentes ( duas mentiras, duas balas), e saiu
Como calculara, desde que entrara e vira que a máquina de café ficava no sentido contrário á porta da saida, ele sabia que teria tempo de chegar á rua antes que o corpo fosse descoberto.
E já cá fora, o grito estridente e o som de chávenas a cair, mostraram que ele tinha razão.
Ligando o motor do seu Ford, Julien lambeu algumas gotas de chuva que escorriam pela face, e gracejou:
-"Lágrimas de Deus , em face de anjo...Amo!".

Sorriu e partiu!

http://mefistus.skyrock.com/

Submited by

sexta-feira, março 5, 2010 - 18:52

Prosas :

No votes yet

Mefistus

imagem de Mefistus
Offline
Título: Membro
Última vez online: há 1 ano 14 semanas
Membro desde: 03/07/2008
Conteúdos:
Pontos: 3083

Comentários

imagem de ÔNIX

Re: Crime...Disse ele!

Ligando o motor do seu Ford, Julien lambeu algumas gotas de chuva que escorriam pela face, e gracejou:
-"Lágrimas de Deus , em face de anjo...Amo!".

Olá Rogério,

Fantástico que és a escrever em prosa. Adoraria conseguir um dia escrever assim. Uma leitura assertiva, que me prendeu até ao final.

Adorei a parte final, porque foi de encontro ao meu pensamento em algumas passagens que li.

beijo

Matilde D'Ônix

PS. Esta seria uma boa participação em Histórias Contadas. Quem sabe o Ex-Ricado não dá um bom destino aquele conjunto já postado...

imagem de Mefistus

Re: Crime...Disse ele!

Onix:

Acredita que tu és um Must, sobretudo em prosa, não chego nem perto de ti.

Agrada-me o modo como me lês, e atenção que me dispensas.

Honrado por a receber em meus textos.

Não entendi as Histórias Contadas

imagem de danyfilipa

Re: Crime...Disse ele!

Como sempre......fenomenal!!!!

Uma historia que prende do inicio ao fim...
muito , muito bem narrada (como sempre você faz) ...uma historia, um drama...espectacular!

As palavras que utiliza que fascinam...
a inteligência sempre que as historias tem...
os pormenores que fazem a diferença...

Amei a frase final...
"Lágrimas de Deus , em face de anjo...Amo!"
:-)

Já andava há espera de novo conto assim...amei as as "Crónicas de Mauro" e aguardava por mais historias assim ...

Fantastico mesmo!
aguardo por mais , sempre com a mesma expectativa... ;-)

beijo

imagem de robsondesouza

Re: Crime...Disse ele!

Texto maravilhoso, Mefistus! Desses que dá prazer em ler, desde o principio pois, é notável sua habilidade com as palavras em favor das descrições intactas de realismo.

Brilhante!

Abraços, Robson!

imagem de LilaMarques

Re: Crime...Disse ele!

Mefistus, meu amigo,

Tu és mesmo craque em narrativas, hein! Nossa! Ficou incrível a tua cena...imaginei como em um filme! Muito bom.

A centa fica tão nítida em tuas palavras...
ADOREI!

Um beijo grande.

imagem de mariacarla

Re: Crime...Disse ele!

Crime... Disse ele!

Não!

Crime cometeu ele com seus sapatos escorregadios e gel no cabelo em:

"Lágrimas de Deus , em face de anjo...Amo!".

Sempre divertidas as tuas histórias. :-)

Carla

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of Mefistus

Tópico Título Respostas Views Last Postícone de ordenação Língua
Poesia/Amor Saber A Mar! 4 1.066 02/19/2019 - 16:26 Português
Prosas/Contos Desculpa Se Sou Puta -Parte 1 - Capítulo 3 0 1.139 02/07/2015 - 11:18 Português
Prosas/Contos Desculpa Se Sou Puta -Parte 1 - Capítulo 2 0 1.060 02/07/2015 - 11:11 Português
Prosas/Contos Desculpa Se Sou Puta - Parte 1 - Capítulo 1 - 0 885 02/07/2015 - 11:07 Português
Prosas/Contos Desculpa se sou Puta! - Introdução 0 908 02/07/2015 - 11:03 Português
Prosas/Contos Desculpa se sou Puta! - Introdução 0 1.049 02/07/2015 - 11:00 Português
Poesia/Amor Saber A Mar! 0 0 07/09/2012 - 15:31 Português
Poesia/Amor Saber A Mar! 0 1.605 07/09/2012 - 15:30 Português
Poesia/Aforismo Cativa Saliva na boca triste 0 3.361 06/04/2012 - 13:52 Português
Poesia/Meditação Haveria Sempre Poesia, Nas horas loucas de maresia 2 1.710 04/21/2012 - 05:56 Português
Poesia/Desilusão Melancolia 0 1.368 11/04/2011 - 12:11 Português
Poesia/Pensamentos Para onde vou ó dor! 0 992 11/04/2011 - 11:42 Português
Poesia/Meditação Trova a dois Terços! 0 1.368 11/04/2011 - 11:34 Português
Poesia/Intervenção Ó Chefe dá-me um emprego! 1 1.569 10/25/2011 - 10:30 Português
Poesia/Dedicado Em amêndoas Tragado 3 1.678 10/24/2011 - 10:15 Português
Poesia/Intervenção Uma breve nostalgia! 0 1.486 10/24/2011 - 10:06 Português
Poesia/Meditação No pio da Perdiz 0 1.644 10/24/2011 - 09:58 Português
Poesia/Fantasia Baila Marisa Baila! 3 2.247 09/01/2011 - 11:17 Português
Prosas/Terror Diablo- Capitulo 4 (parte 4/4) 0 1.692 04/09/2011 - 01:02 Português
Prosas/Terror Diablo - Capitulo 4 ( parte 3/4) 0 1.794 04/09/2011 - 00:59 Português
Prosas/Terror Diablo - Capitulo 4 ( parte 2/4) 0 1.368 04/09/2011 - 00:56 Português
Prosas/Terror Diablo Capitulo 4 (Parte 1/4). 0 2.454 04/09/2011 - 00:49 Português
Prosas/Terror Diablo Capitulo 3 (Parte 3/3) 0 1.566 04/09/2011 - 00:46 Português
Poesia/Meditação Dançarina de saia Púpura 2 2.054 04/07/2011 - 23:35 Português
Poesia/Meditação Como um corpo suspenso em cordas de linho 1 1.765 02/27/2011 - 20:51 Português