O Gebo e o Sonho.

Quero morrer de vez e interpretado pra sempre,
Não terei na cartola o axioma do sonho
Nem tirarei qualquer máxima à pena,
Mas morar de mim fora, d’ora
Em diante e apenas, sim, tenho,

Tenho paladar do infinito ao etéreo, insólito
O lugar em que mais sinto imenso, indulto
No ser, é no ser apenso do ser Ser, que invicto
Será, ou talvez seja mau pensar, pensei sendo
Advento meu doutro pressentir desmedido dom.

Como pensei, o facto de escrever e a facilidade
Com que vulgarizo a opinião, fazem duma saudável
Imaginação, uma censurável ofensa do meu jargão
Grosso, ao ser que suspenso, no coração crivo, sirvo
Do apocalipse numa velha batedeira de bolos,

Instigo e contradigo por covardia, como fosse eu
Aliado a um deus adenda, pra me parecer ninguém
Ou Génio desempregado da Albina lâmpada.
Tanto do que já senti, sonhei-o sem mãos, tantos
Sonhos irmãos tive em criança, sabidos ,espertos,

Eram meus, sem os querer por horto de mosteiro.
Quando morrer de vez, para sempre interpretado,
Quero olhar particularmente a realidade,
Nítida e peculiar da matéria que me escravizou,
Do mesmo modo que situo um gebo, na sombra da rua.

Joel Matos (11/2014)
http://namastibetpoems.blogspot.com

Submited by

Viernes, Febrero 23, 2018 - 18:46

Ministério da Poesia :

Su voto: Nada Promedio: 5 (1 vote)

Joel

Imagen de Joel
Desconectado
Título: Membro
Last seen: Hace 1 semana 4 días
Integró: 12/20/2009
Posts:
Points: 40693

Comentarios

Imagen de Joel

.

.

Imagen de Joel

.

.

Imagen de Joel

.

.

Imagen de Joel

.

.

Imagen de Joel

.

.

Imagen de Joel

.

.

Imagen de Joel

.

.

Imagen de Joel

.

.

Imagen de Joel

.

.

Imagen de Joel

.

.

Add comment

Inicie sesión para enviar comentarios

other contents of Joel

Tema Título Respuestas Lecturas Último envíoordenar por icono Idioma
Poesia/General Na minha terra não há terra, 0 487 06/02/2020 - 16:16 Portuguese
Poesia/General A sucessão dos dias e a sede de voyeur ... 0 246 06/02/2020 - 16:09 Portuguese
Poesia/General O Amor é uma nação em risco, 1 573 05/03/2020 - 00:37 Portuguese
Ministério da Poesia/General Ninguém me distingue de quem sou eu ... 1 298 04/20/2020 - 23:34 Portuguese
Ministério da Poesia/General A um Deus pouco divino … 1 487 04/19/2020 - 12:02 Portuguese
Poesia/General “Hic sunt dracones”, A dor é tudo … 4 533 04/15/2020 - 16:25 Portuguese
Poesia/General A Morte não é Bem-Vinda ... 2 479 04/15/2020 - 15:46 Portuguese
Poesia/General Objectos próximos, 0 587 04/15/2020 - 12:06 Portuguese
Poesia/General Daniel Faria, excerto “Do que era certo” 0 491 04/15/2020 - 11:58 Portuguese
Ministério da Poesia/General O avesso do espelho... 5 327 03/01/2020 - 21:02 Portuguese
Poesia/General A síndrome de Savanah 0 458 03/01/2020 - 20:26 Portuguese
Ministério da Poesia/General O Estado da Dúvida 2 269 01/24/2020 - 21:05 Portuguese
Ministério da Poesia/General Patchwork... 0 453 01/08/2020 - 14:05 Portuguese
Ministério da Poesia/General Vivo do oficio das paixões 0 418 01/08/2020 - 13:55 Portuguese
Ministério da Poesia/General Como morre um Rei de palha... 0 291 01/08/2020 - 13:50 Portuguese
Ministério da Poesia/General "Sic est vulgus" 0 476 01/08/2020 - 12:47 Portuguese
Ministério da Poesia/General Quantos Césares fui eu !!! 0 321 01/08/2020 - 12:40 Portuguese
Ministério da Poesia/General Nada se parece comigo 0 360 01/08/2020 - 12:34 Portuguese
Ministério da Poesia/General Pedra, tesoura ou papel..."Do que era certo" 0 395 01/08/2020 - 12:27 Portuguese
Ministério da Poesia/General Sou "O-Feito-Do-Primeiro-Vidente" 0 321 01/08/2020 - 12:11 Portuguese
Ministério da Poesia/General Morri lívido e nu ... 0 339 01/08/2020 - 12:03 Portuguese
Ministério da Poesia/General Ladram cães à distância, Mato o "Por-Matar" ... 0 358 01/08/2020 - 11:45 Portuguese
Ministério da Poesia/General Excerto “do que era certo” 0 329 01/08/2020 - 11:38 Portuguese
Ministério da Poesia/General Rua dos Douradores 30 ... 0 392 01/08/2020 - 11:32 Portuguese
Ministério da Poesia/General A Rua ao meu lado ou O Valor do riso... 0 302 01/08/2020 - 11:24 Portuguese