CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

Esquecer é ser esquecido

Esquecer é ser esquecido e saudade a substância do vidro,

Um adormecer em forma de dom, em que consciência
E apego são bastardos naturais de uma mesma escara,
Nascidos no ventre uma de outra como tumores, abscessos
Malignos, ambos com igual instinto, cada um nega
Parentesco e origem, coisa triste o’dormecer da vontade,

Confesso a indiferença, sobrevivo nulo perante crenças
Fuinhas, confundo a porta dos fundos com a plateia,
Sendo eu próprio escalador de vácuos e espectador
Assumido de mim mesmo, que o digam os acenos
Sem conteúdos, as palmas de despedidas, mas eu atuo
Como um deus seminu de brilho, não suporto fingidas cenas,

Sou opinativo do tutano à nuca por não ter certezas
Concluídas nem nunca um modo de ver tão simples
Quanto o espectro da candura, sou por direito absoluto
Monarca como fardo, e um tísico embora o meu espirito
Seja dono do mundo por não haver outro, tirando este
O qual amo mais que tudo, esquecer é ser esquecido,

Nasci liberto de domínio e é assim que serei, desprezo
Tiranos altivos como proas de navios decretando quem
Morre e quem fica perene, embora cacos de lembranças.
Tudo é poesia, até o que se esquece, acontece-me às vezes
Esquecer aquilo que não quero e concluo ser alergia
Ao que suponho querer e não me faz falta nem quero,

Esqueço em homenagem a mim próprio e ao absurdo
Ensejo que é ser suposto facto e não ciente realidade,
Qual ritual duvido de coração e alma. Agora é pra sempre,
Fui descuidado na seleção do que se esquece, esqueci
Ainda ontem a utilidade como se fosse uma derrota
E a saudade do que hei-de ser eu não, a ilusão do sonho

Ou o trinfo da morte concreta, o crepúsculo não se
Mede, nem é uma ciência, do meu coração às vezes
Duvido, mente-me acerca de um régio destino e eu
Indigno do que creio ter, um raro instinto de poente,
Saudade é gente que o esforço não apagou e a maioria
Vive em mim, ser esquecido é esquecer, escolha-visco.

Admito tecer por dentro uma teia com fios de vidas
Que mais parecem sonhos de vidas que não tenho
Mas conheço ainda que doa não ser eu um outro ser
Menos fragmentado entre consciência do desapego,
O chocolate e a cereja, o paladar da estranheza,
O prazer de ser esquecido como manifesto à indiferença,

Encaro-me com o desapego que tão dolorosamente
Represento a sós comigo, chamo-lhe de “necessidade
De me sentir vivo” essencial à falha de que me rodeio,
Sem que me aperceba não sou eu, mas um outro eu,
Semelhante a mim mesmo e enfim esquecido,sobejo  …

Joel Matos (Junho 2020)
http://joel-matos.blogspot.com

https://namastibet.wordpress.com

Submited by

segunda-feira, setembro 28, 2020 - 14:47

Poesia :

Your rating: None (1 vote)

Joel

imagem de Joel
Offline
Título: Membro
Última vez online: há 3 horas 19 minutos
Membro desde: 12/20/2009
Conteúdos:
Pontos: 40869

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of Joel

Tópico Título Respostas Views Last Postícone de ordenação Língua
Ministério da Poesia/Geral Deixemos descer à vala, o corpo que em vão nos deram 15 56 02/09/2021 - 08:55 Português
Ministério da Poesia/Geral A desconstrução 38 83 02/06/2021 - 21:18 Português
Ministério da Poesia/Geral Deixai-vos descer à vala, 0 41 02/06/2021 - 20:40 Português
Ministério da Poesia/Geral Permaneço mudo 0 36 02/06/2021 - 20:37 Português
Ministério da Poesia/Geral Os Dias Nossos do Isolamento 0 34 02/06/2021 - 20:35 Português
Poesia/Geral Gostar de estar vivo, dói! 0 33 02/06/2021 - 20:31 Português
Poesia/Geral Apologia das coisas bizarras 0 42 02/06/2021 - 20:29 Português
Poesia/Geral Meus sonhos são “de acordo” ao sonhado, 0 43 02/06/2021 - 20:27 Português
Ministério da Poesia/Geral Na terra onde ninguém me cala 1 35 02/06/2021 - 10:14 Português
Poesia/Geral Esquema gráfico para não sobreviver à morte … 5 61 02/05/2021 - 11:45 Português
Ministério da Poesia/Geral Tiras-me as palavras da boca 1 43 02/03/2021 - 18:31 Português
Ministério da Poesia/Geral A tenaz negação do eu, 1 42 01/25/2021 - 21:40 Português
Poesia/Geral O lugar que não se vê ... 0 50 01/25/2021 - 20:31 Português
Poesia/Geral Minh’alma é uma floresta 0 32 01/25/2021 - 19:58 Português
Ministério da Poesia/Geral Pangeia e a deriva continental 0 71 01/02/2021 - 18:34 Português
Ministério da Poesia/Geral A simbologia dos cimos 0 51 01/02/2021 - 18:23 Português
Ministério da Poesia/Geral Prefiro rosas púrpuras ... 0 39 01/02/2021 - 18:13 Português
Ministério da Poesia/Geral Por um ténue, pálido fio de tule 0 46 01/02/2021 - 17:59 Português
Ministério da Poesia/Geral Me perco em querer 0 45 01/02/2021 - 17:47 Português
Ministério da Poesia/Geral Epistemologia dos Sismos 0 41 01/02/2021 - 17:26 Português
Ministério da Poesia/Geral A sismologia nos símios 0 44 01/02/2021 - 17:11 Português
Poesia/Geral Não passo de um sonho vago, alheio 0 57 01/02/2021 - 16:48 Português
Poesia/Geral Cumpro com rigor a derrota 0 65 01/02/2021 - 16:23 Português
Poesia/Geral Perdida a humanidade em mim 0 70 01/02/2021 - 16:08 Português
Poesia/Geral Em pêlo e a galope... 7 183 11/27/2020 - 17:11 Português