CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

Passou o tempo querida!

Passou querida, passou o tempo do medo!
Lembre, já passou o tempo do espanto!
As vozes nos assustavam...
Já não percebemos mais...
Os deja-vus são freqüentes e cotidianos,
nada revelam.

Passou o tempo do impressionar-se
com todo desejo materializado
e com as certezas da intuição.
Não importa, agora são regras estabelecidas!

Passou o tempo daquela alegria ao ver a magia.
Ela agora esta todo dia, no balde de roupa...
Na tina! Como o brilho de seus olhos...
Ou a família!

Passou o tempo do sonho, dos desafios.
Tudo já foi conquistado, todos os mares
e a ilha desconhecida já é habitada
por marinheiros rebeldes, que envelheceram

Passou o tempo querida.
Passaste-o comigo!

Passou o tempo da raiva enfurecida...
A morte ficou de lembrança da vida.
Passou o tempo de ressuscitar, de reconstruir,
de reerguer todo um castelo todos os dias,
eterno.

Vencemos os labirintos
Mastros erguidos no continente
E nos satélites.

Passou o tempo do riso...
Como rio incontido e turbulento

(e dizem dos rios tão violentos)

Passou o tempo do verbo,
que inevitável se faz carne
Agora já não cronometro
Passou o tempo da percepção do espaço!
Passou o barão, o saltimbanco, o palhaço...
Passaram as classes...

Passou o tempo do arrebatar-se,
da experiência concreta
e das esquinas do Alzheimer

Passou o tempo da eternidade...

Passou o tempo do encantamento,
Do carnaval
Da mágoa, da ressaca...
Passou a saúde...
Acabou a historia
E o tempo de ser perfeito

Passou o tempo da pulsação supernova,
Do buraco negro, o tempo do equilíbrio...
O universo se desencanta.
Passou o tempo das marés
que seguem a lua como cordeiros
Passaram os terremotos...

Passou o tempo do orgasmo,
do reencontrar-se eterno
Por todas as vidas que se sucederam
Sempre nos vimos... Inevitável!
Gêmeas e Sagitários!

Agito os dados...
Repetem-se os dados...
Monos eternos datilografam
Eis então a obra completa
Na enciclopédia dos séculos
Genética caótica e estrábica!

Passou pela estrada em alta velocidade...
Diziam: “- No Pasaran!”
E passaram...

E agora? O que há?
Me perguntas!

Passou o tempo do questionamento...

Eu silencio...
Silencio, porque passou o tempo das respostas...

Como acabou também o tempo do silêncio!

Beije-me apenas...
Beije-me apenas, de novo...
Por mais uma era!

Submited by

quinta-feira, março 3, 2011 - 19:32

Poesia :

Your rating: None (1 vote)

marcelocampello

imagem de marcelocampello
Offline
Título: Membro
Última vez online: há 6 anos 24 semanas
Membro desde: 03/02/2011
Conteúdos:
Pontos: 310

Comentários

imagem de Renata Rimet

Passou o tempo querida!

Pode até ter passado, mas foi intenso demais em cada detalhe, marcou na pele, na memória, na alma...confesso, levou-me as lágrimas, passou um filme, não li seu poema, assisti uma história de vida...

Perfeito!

Renata Rimet

imagem de marcelocampello

Me ajuda muito!

Obrigado Renata, suas palavras me ajudam a seguir destinando parte de minhas energias nesse esforço de escrever o que se passa nessa aventura da vida!

Meu muito obrigado, mas deixemos a perfeição para os Deuses! Fique em paz e serena!

imagem de Elizaete

Puxa!

Puxa, que passagem longa e fascinante!

 

Parabéns!

imagem de marcelocampello

Elizaete

Opa, que bom comentario! Longa mesmo, tenho essa mania de me prolongar demais, sempre tento ser mais sintetico! Beijos e obrigado!

imagem de Ema Moura

Por mais uma era...

"Por todas as vidas que se sucederam
Sempre nos vimos... Inevitável!"

"Beije-me apenas...
Beije-me apenas, de novo...
Por mais uma era!"

 

Que no entreabrir dos lábios e no beijo entrelaçado se faça ouvir a resposta como um eco do seu coração.

Por mais uma era e em todas as nossas Vidas...

Sublime poema! Forte impressão em quem o lê.

Obrigada,

Ema

imagem de marcelocampello

Obrigado

Ola Ema Moura, prazer pela amizade e pelo comentario

Sim, por todas as vidas... que bom... Abraços com carinho!

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of marcelocampello

Tópico Título Respostas Views Last Postícone de ordenação Língua
Poesia/Meditação A história da cabeça que fugiu dos pés! 4 479 06/10/2012 - 22:03 Português
Poesia/Meditação The story of a head that ran from its feet 0 915 06/10/2012 - 12:07 inglês
Poesia/Geral Dr. Jekyll: Pb > Au 0 663 12/12/2011 - 11:26 Português
Poesia/Geral Cavaleiro de Copas 0 570 12/09/2011 - 19:40 Português
Poesia/Intervenção BELO MONTE 0 647 12/09/2011 - 19:03 Português
Poesia/Geral Gilliat e Deruchete 1 1.007 12/01/2011 - 18:42 Português
Poesia/Geral Pessoas são como países (reeditado) 0 813 10/25/2011 - 14:47 Português
Poesia/Geral PESSOAS SAO COMO PAISES 0 681 10/25/2011 - 14:41 Português
Poesia/Geral ENTROPIA MONETÁRIA 0 927 10/07/2011 - 15:50 Português
Poesia/Geral MORO NESSA CASA VAZIA 0 975 10/07/2011 - 15:46 Português
Poesia/Fantasia Amores e Mamutes 4 879 04/30/2011 - 16:59 Português
Poesia/Amizade Jocasta, Amelie Poulain e Lili Carabina 2 1.227 04/28/2011 - 20:40 Português
Poesia/Geral A MENINA NA CAVERNA 0 1.066 04/27/2011 - 15:16 Português
Poesia/Geral O Eco, a Sombra e as Estrelas 1 1.240 04/27/2011 - 03:48 Português
Poesia/Geral FANTASIA MIGRANTE 3 953 04/19/2011 - 19:00 Português
Poesia/Geral Canção em Espiral 1 754 04/16/2011 - 04:08 Português
Poesia/Geral Tropa serena 0 1.210 04/16/2011 - 01:52 Português
Poesia/Geral Desculpai-me insetos! 2 1.360 04/13/2011 - 22:52 Português
Poesia/Geral Algum abandono previsível! 3 1.034 04/12/2011 - 14:02 Português
Poesia/Geral Mom made a doll 0 924 04/09/2011 - 23:18 inglês
Poesia/Geral Jocasta, Amelie Poulain e Lili Carabina 0 1.018 04/09/2011 - 16:18 inglês
Poesia/Geral The poem's not love 0 970 04/09/2011 - 16:17 inglês
Poesia/Geral Adrift 0 1.212 04/09/2011 - 16:16 inglês
Poesia/Geral Encerrai a cavalgada! 2 869 04/09/2011 - 11:51 Português
Poesia/Geral Passou o tempo querida! 6 1.005 04/05/2011 - 12:33 Português