CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

A lenda de Enoah - Capitulo 12

Quando o 2º dia de viagem amanheceu, Percival estava torcido, dorido e agarrado a um ramo, de olho semi aberto.
Não havia dormido nada, ao contrário de Enoah que apresenta uma invulgar frescura fisica.
No solo, prefeitamente desperta, a filha da montanha atava o cabelo atrás, em forma de rabo de cavalo e num tom irónico,ameaçou:
-Vamos a acordar Princepe. Antes que o pequeno almoço se estrague!
Foram precisos alguns momentos para que o Lord recuperasse a compostura e a custo, juntou-se á jovem no solo.
Os cadáveres das feras que os atacaram a noite passado, jaziam sobre o brilho forte dos primeiros raios de sol. Percival, esforçando-se por os ignorar, guardou a espada que mantivera colada a si e com um olhar terno e complacente, argumentou, num tom de voz lacónico:
-Em marcha, ou não chegaremos a tempo a Orkutt.
-Chegaremos, isso é certo.
O sorriso de confiança da jovem, só foi ultrapassado em importância por algumas plantas verdes enroladas, que a jovem comia àvidamente:
-Que comeis?
-Puctura. Uma planta agradável que crua, sabe a carne!
-Como é isso possivel?
-Provai.
Num gesto carinhoso, levou as pontas dos dedos à boca sedenta do Lord, que não recusou,fitando os olhos brilhantes dela:
-Tendes razão, é apetitoso!
-Claro que é...podeis parar de me lamber os dedos!
Atónico, Percival corou motivando o sorriso simples da jovem, para de seguida ela responder:
-Gosto de vós, sem esse ar petulante!
Durante a caminhada de duas horas, as palavras dela ecoavam na mente dele, e enquanto ele seguia àvidamente os passos que ela deixava no manto verde, à medida que caminhava, relembrava o corpo dela nu, na noite passada.
Para Enoah, tudo era um bocado mais complicado. Inadvertidamente lançara feitiços com os seu olhar da tribo, mas por qualquer razão Percival mantinha-se alheado do feitiço. Mas ao mesmo tempo, saber-se protectora daquele homem, que quando estava em dificuldades, assumia um ar tão ctivante, tão eternecedor, mexia com ela.
A tres horas de caminho, Enoah estacou de subito e inadvertidamente agachou-se assumindo a posição de um animal de quatro patas. Percival, procurou esconder-se atrás de um tronco forte.
Farejando o ar, como se de um animal se tratasse, Enoah, fechou depois os olhos e sondou os arredores, com a meditação da tribo. Qualquer som, por mais pequeno que fosse, era-lhe perfeitamente perceptivel. Estudava o vento, o ar, o balançar dos ramos, os barulhos dos grilos, os sons longinquos de passos de animais que os seguiam, distantes, e de subito encontrou o que procurava. Um respirar timido, quase vago a alguns metros dali.
Sacando a Adaga, fez sinal a Percival e prontamente assumiu a invissibilidade, deixando Percival atento as pegadas que ela deixava no manto verde da Floresta.
Uns minutos depois um assobio estridente, que Percival reconheceu pelo tom, lançou-o na direcção das pegadas.
A poucos metros, já com forma visivel, Enoah acarinhava a cabeça de um cavalo branco, tombado ferido no solo:
-Está morto? - Percival estava preocupado em analisar a sela do cavalo.
Enoah, pegou gentilmente na adaga, percorreu o peito do cavalo com a mão, enquanto murmurava algo de inatingivel para o Lord e subitamente espetou a adaga, a poucos centimetros do pescoço, fazendo o cavalo relinchar uma ultima vez:
-Agora está! Ele estava a sofrer. Não duraria muito e provávelmente seria comido vivo pelas feras do bosque.
Uma lágrima rolou decidida na face amargurada de Enoah, fazendo com que o seu companheiro de aventura, se aproxima-se e sem perceber como, abraçou-a com força, segredando:
-As mortes acabarão, prometo-vos!
Instintivamente, os lábios dela procuraram os dele e assim permaneceram alguns minutos, até que Enoah caindo em si, afastou-se decidida e mudando o assunto, inquiriu:
-Reconheceis a montada?
-Efectivamente - Percival mostrava-se confuso e atordoado.
-Do reino?
-De Gambinus. Provávelmente o pajem ou um espião.
-Se a montada está aqui....- Os olhos de Enoah pesquisaram os arredores
-Ele não pode estar longe!
-Ou os restos dele.
O Sangue no solo era confuso e temendo o que pudesse encontrar, Percival sugeriu:
-Não podemos perder tempo, Enoah. Temos de avançar até aos campos de cultivo de Orgutt, antes que a noite caia e eu não sobreviverei a outra noite numa árvore
-Efectivamente, tendes razão. Nunca o poderiamos salvar.
-Talvez tenha sido o grito que ouvimos. As feras sempre o apanharam.
Acenado a cabeça, Enoah apontou delicadamente para o dorso do cavalo, onde três flechas permaneciam bem cravadas na carne do animal.
-Não somos os unicos por aqui. Temos de redobrar a atenção!
Percival admirado pela argúcia e subtileza de Enoah, acenou com a cabeça, e dando-lhe a mão num sinal de confiança de confiança, levou-a para o interior da floresta de Arkhan.
Não poderiam perder um minuto sequer!

--------------Fim capitulo 12

Submited by

sábado, maio 15, 2010 - 00:19

Prosas :

No votes yet

Mefistus

imagem de Mefistus
Offline
Título: Membro
Última vez online: há 1 ano 15 semanas
Membro desde: 03/07/2008
Conteúdos:
Pontos: 3083

Comentários

imagem de Clarisse

Re: A lenda de Enoah - Capitulo 12

Mais... :-)

Clarisse

imagem de Librisscriptaest

Re: A lenda de Enoah - Capitulo 12

E finalmente... tchan tchan tchan tchan...
O esperado BEIJINHOOOOOO!!!
estava a ver q não!!
Enoah é de facto apaixonante e eu confesso-me apaixonadissima pela trama e por cada um dos personagens!!!
Ler-te é um vicio delicioso!
Tens de fazer uma triologia q eu não me consigo mentalizar q ja faltam poucos capitulos para o fim... pleeeeasssseeee
Beijinho em ti!
Inês

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of Mefistus

Tópico Título Respostas Views Last Postícone de ordenação Língua
Poesia/Amor Saber A Mar! 4 1.080 02/19/2019 - 16:26 Português
Prosas/Contos Desculpa Se Sou Puta -Parte 1 - Capítulo 3 0 1.147 02/07/2015 - 11:18 Português
Prosas/Contos Desculpa Se Sou Puta -Parte 1 - Capítulo 2 0 1.067 02/07/2015 - 11:11 Português
Prosas/Contos Desculpa Se Sou Puta - Parte 1 - Capítulo 1 - 0 891 02/07/2015 - 11:07 Português
Prosas/Contos Desculpa se sou Puta! - Introdução 0 920 02/07/2015 - 11:03 Português
Prosas/Contos Desculpa se sou Puta! - Introdução 0 1.057 02/07/2015 - 11:00 Português
Poesia/Amor Saber A Mar! 0 0 07/09/2012 - 15:31 Português
Poesia/Amor Saber A Mar! 0 1.623 07/09/2012 - 15:30 Português
Poesia/Aforismo Cativa Saliva na boca triste 0 3.373 06/04/2012 - 13:52 Português
Poesia/Meditação Haveria Sempre Poesia, Nas horas loucas de maresia 2 1.731 04/21/2012 - 05:56 Português
Poesia/Desilusão Melancolia 0 1.375 11/04/2011 - 12:11 Português
Poesia/Pensamentos Para onde vou ó dor! 0 1.001 11/04/2011 - 11:42 Português
Poesia/Meditação Trova a dois Terços! 0 1.389 11/04/2011 - 11:34 Português
Poesia/Intervenção Ó Chefe dá-me um emprego! 1 1.578 10/25/2011 - 10:30 Português
Poesia/Dedicado Em amêndoas Tragado 3 1.685 10/24/2011 - 10:15 Português
Poesia/Intervenção Uma breve nostalgia! 0 1.497 10/24/2011 - 10:06 Português
Poesia/Meditação No pio da Perdiz 0 1.653 10/24/2011 - 09:58 Português
Poesia/Fantasia Baila Marisa Baila! 3 2.256 09/01/2011 - 11:17 Português
Prosas/Terror Diablo- Capitulo 4 (parte 4/4) 0 1.694 04/09/2011 - 01:02 Português
Prosas/Terror Diablo - Capitulo 4 ( parte 3/4) 0 1.813 04/09/2011 - 00:59 Português
Prosas/Terror Diablo - Capitulo 4 ( parte 2/4) 0 1.373 04/09/2011 - 00:56 Português
Prosas/Terror Diablo Capitulo 4 (Parte 1/4). 0 2.464 04/09/2011 - 00:49 Português
Prosas/Terror Diablo Capitulo 3 (Parte 3/3) 0 1.578 04/09/2011 - 00:46 Português
Poesia/Meditação Dançarina de saia Púpura 2 2.067 04/07/2011 - 23:35 Português
Poesia/Meditação Como um corpo suspenso em cordas de linho 1 1.784 02/27/2011 - 20:51 Português