CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

Ana acorda

Cá estamos nós!
Encima das colinas de ouro.
Só que quando o inverno falecer
E nos formos,
Teremos todos os contos fora do juízo
Forçando memórias velhas
Com pontas esquecidas.

Cá estamos nós!
Balouçando com plantas feitas de ventos musicais
Nos montes sagrados desconhecidos por deus.

Comunheiras emboques pirâmides de céu
A dar pela lua
Tal qual olho virgem para o máximo de tudo.

Aproximei-me o mais perto que pude
Em Siuxs magias e feitiços amazônicos selvagens
Estrondo de selva aos arredores do mundo.
Aproximei-me sim,
Desta maneira,
O mais perto de teus mais delicados gestos

Cá estamos nós!
Naquelas mesmas sandálias onde tu calçavas o seu nome.
Travesseiros gentis deleitavam sua face
Escondidos do que agora somos
Leve na noitinha
Com delicadeza de algodão

Eu esperava não nascer
Cá estive nascido
Eu esperava que tu nasceste
Ali estiveste
Na forma de olhos de serras verdes
E pupilas de jardim
Ana acorda... NÃO! Ana, não acorde.

Submited by

quinta-feira, junho 28, 2012 - 16:27

Poesia :

No votes yet

Alcantra

imagem de Alcantra
Offline
Título: Membro
Última vez online: há 5 anos 12 semanas
Membro desde: 04/14/2009
Conteúdos:
Pontos: 1563

Comentários

imagem de Leonardo Garcias--------------------------------------------

Poesia do Mundo

Tenho estado atento e tem-me surpreendido creio que é um homem do mundo que se agoniza na perturbante dor do amor, prende-se, raramente volta ao mundo, recolhe-se na sua poesia, a poesia do Mundo.

Obrigado, este é o meu pensamento.

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of Alcantra

Tópico Título Respostas Views Last Postícone de ordenação Língua
Poesia/Amor Soma de poemas 5 714 02/27/2018 - 12:09 Português
Poesia/Geral Abismo em seu libré 0 823 12/04/2012 - 00:35 Português
Poesia/Geral Condado vermelho 0 1.037 11/30/2012 - 22:57 Português
Poesia/Geral Ois nos beijos 1 846 11/23/2012 - 11:08 Português
Poesia/Geral Dores ao relento 0 1.058 11/13/2012 - 21:05 Português
Poesia/Geral Memórias do norte 1 520 11/10/2012 - 19:03 Português
Poesia/Geral De vez tez cromo que espeta 0 1.095 11/05/2012 - 15:01 Português
Poesia/Geral Cacos de teus átomos 0 760 10/29/2012 - 10:47 Português
Poesia/Geral Corcovas nas ruas 0 1.182 10/22/2012 - 11:58 Português
Poesia/Geral Mademouselle 0 663 10/08/2012 - 15:56 Português
Poesia/Geral Semblantes do ontem 0 609 10/04/2012 - 02:29 Português
Poesia/Geral Extravio de si 0 749 09/25/2012 - 16:10 Português
Poesia/Geral Soprosos Mitos 0 1.274 09/17/2012 - 22:54 Português
Poesia/Geral La boheme 0 951 09/10/2012 - 15:51 Português
Poesia/Geral Mar da virgindade 2 594 08/27/2012 - 16:26 Português
Poesia/Geral Gatos-de-algália 0 1.201 07/30/2012 - 16:16 Português
Poesia/Geral Vidas de vidro num sutil beijo sem lábios 2 762 07/23/2012 - 01:48 Português
Poesia/Geral Vales do céu 0 665 07/10/2012 - 11:48 Português
Poesia/Geral Ana acorda 1 933 06/28/2012 - 17:05 Português
Poesia/Geral Prato das tardes de Bordô 0 659 06/19/2012 - 17:00 Português
Poesia/Geral Um sonho que se despe pela noite 0 709 06/11/2012 - 14:11 Português
Poesia/Geral Ave César! 0 1.522 05/29/2012 - 18:54 Português
Poesia/Geral Rodapés de Basiléia 1 796 05/24/2012 - 03:29 Português
Poesia/Geral As luzes falsas da noite 0 1.439 05/14/2012 - 02:08 Português
Poesia/Geral Noites com Caína 0 895 04/24/2012 - 16:19 Português