CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

Um sonho que se despe pela noite

Um sonho que se despe pela noite
Mesmo sonho que se despede pela manhã
 
Foi no serão da bebida em cascos doidos galopantes
Em plena feição esculpida nas nove horas em luto
Quando aos montes catando-se foi.
Não havia aspirais em cadernos rotos abarrotados
Para segurar linhas impossíveis de vista
Amarelas de velhas.

Cadarços costuram à mão centenas de vãos pagãos,
Deixados aos seculares relógios meandros
Dos colossais membros da sorte.

Correram todos para as porteiras que levam
Aos outros descasos, feito filtros de talhas
A coar estômagos alertas e salpicos sem cor.
Abriram todas as ilhas perdidas com ouro nas pedras enfeitadas,
Seu maciço corpo esteve lá
Nalgum coito de sobre pele.
O sutiã vazou deixando percebível
Todo suor das bocas com correntinhas escondidas nos pescoços
Com forma de postes alinhados
Claros, alguns apagados...

Buscaste o aonde enfiando num quem sabe solavanco
Com apalpar sonolento em lentos tácteis mágicos
Nas surpresas do toque
Em serpenteadas fogueiras
Do saber ou achar.

Colheu os escritos nas páginas no livro dos ares
Quando deitamos dos céus todas as centelhas
Dos sons de olhos piscando,
Quando abraçamos em aços maleáveis
De ombros e pescoços rebeldes
Na tentativa de não sermos vencidos pelo sono,
Quando sem já carne de cromo em fisgas do erétil
Trouxemos os incríveis ósculos do verão.

Venha mesmo que em atropelos,
Venha!
Já que a noite tem que dormir no toda vez que amanhece.
A vejo suplicando pelo sol travesseiro da contradição do efeito.

Leio em seus olhos o vilão do adeus
Com facões amolados que servem para cortar o que somos agora.

Na primeira vez que a vi faz mil anos desde que anoiteceu,
Tu disseste-me oi com boca que sofria,
Tu fitaste-me com a lógica que todos os magos conhecem,
Não somos as lajotas de carnavais
Nem os mourões dos cercados,
Muito menos a coragem dos que morrem,
Mas quem sabe alguma varanda pendurada no firmamento

Submited by

segunda-feira, junho 11, 2012 - 13:11

Poesia :

No votes yet

Alcantra

imagem de Alcantra
Offline
Título: Membro
Última vez online: há 5 anos 42 semanas
Membro desde: 04/14/2009
Conteúdos:
Pontos: 1563

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of Alcantra

Tópico Título Respostas Views Last Postícone de ordenação Língua
Poesia/Amor Soma de poemas 5 883 02/27/2018 - 11:09 Português
Poesia/Geral Abismo em seu libré 0 1.085 12/03/2012 - 23:35 Português
Poesia/Geral Condado vermelho 0 1.450 11/30/2012 - 21:57 Português
Poesia/Geral Ois nos beijos 1 1.008 11/23/2012 - 10:08 Português
Poesia/Geral Dores ao relento 0 1.287 11/13/2012 - 20:05 Português
Poesia/Geral Memórias do norte 1 641 11/10/2012 - 18:03 Português
Poesia/Geral De vez tez cromo que espeta 0 1.264 11/05/2012 - 14:01 Português
Poesia/Geral Cacos de teus átomos 0 910 10/29/2012 - 09:47 Português
Poesia/Geral Corcovas nas ruas 0 1.390 10/22/2012 - 10:58 Português
Poesia/Geral Mademouselle 0 765 10/08/2012 - 14:56 Português
Poesia/Geral Semblantes do ontem 0 855 10/04/2012 - 01:29 Português
Poesia/Geral Extravio de si 0 921 09/25/2012 - 15:10 Português
Poesia/Geral Soprosos Mitos 0 1.495 09/17/2012 - 21:54 Português
Poesia/Geral La boheme 0 1.185 09/10/2012 - 14:51 Português
Poesia/Geral Mar da virgindade 2 751 08/27/2012 - 15:26 Português
Poesia/Geral Gatos-de-algália 0 1.515 07/30/2012 - 15:16 Português
Poesia/Geral Vidas de vidro num sutil beijo sem lábios 2 933 07/23/2012 - 00:48 Português
Poesia/Geral Vales do céu 0 790 07/10/2012 - 10:48 Português
Poesia/Geral Ana acorda 1 1.118 06/28/2012 - 16:05 Português
Poesia/Geral Prato das tardes de Bordô 0 809 06/19/2012 - 16:00 Português
Poesia/Geral Um sonho que se despe pela noite 0 893 06/11/2012 - 13:11 Português
Poesia/Geral Ave César! 0 1.781 05/29/2012 - 17:54 Português
Poesia/Geral Rodapés de Basiléia 1 946 05/24/2012 - 02:29 Português
Poesia/Geral As luzes falsas da noite 0 1.647 05/14/2012 - 01:08 Português
Poesia/Geral Noites com Caína 0 1.024 04/24/2012 - 15:19 Português