CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

De vez tez cromo que espeta

Costas dorsos sangrentos sabor do medo
Quando caminhamos
E no passar de passos todas as pedras vão se atirando caindo,
Esquecido olhar dos ombros
Cemitérios macabros
Lápides sanfona do macio que enverga veias que se acabam

Cruzamento de estradas com rugas
Com cruzes mortas.
Foi-se o caminho da fé
Tal qual fala pedinte do mundo agudo sofrido amiúdo

Anêmonas e tudo o mais
Lagartos planetas de couro verde
Pele da vaidade
Barba do mal que pensa respira saberes dos mais profundos
Afundados no naufrágio de si.

Um olhar vindo das labaredas da glória,
Sofá em chamas cútis em brasa sarcástica

Esqueceram o rosto da véspera
Pombos morrediços

Susto do rosto fúnebre à porta em lenha,
Rabiscos faíscas à bota que caminhava

Oh! Dionísio frio feito de dança com solidão
Dá-nos céus para beber
Dá-nos tempos para gozar o amor
Inexplicáveis ciúmes humanos profetas amassados.

Reza-nos nosso amém
Lá que lá vamos
Aqui que cá estamos

Oh! Velha! Último pingo de fonte a secar-se
Torna-nos proteção do frio
Nós os esquecidos da noite

Escapolem
Todos os anjos de asas negras das jaulas humanas

A natureza grita quando a Terra diz:
Vamos dançar rosicleres que duram universo.

A tarde comenta com a noite sobre o vermelho que não é cor

Face quente da mão que envolve
Livra-nos da alma que pertencemos

Lá vamos,
Movidos ao descuido
Uma estrela quase caiu
Aos sem vistas
Recomendamos os afogados da última tempestade de verão.

Submited by

segunda-feira, novembro 5, 2012 - 15:01

Poesia :

No votes yet

Alcantra

imagem de Alcantra
Offline
Título: Membro
Última vez online: há 5 anos 38 semanas
Membro desde: 04/14/2009
Conteúdos:
Pontos: 1563

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of Alcantra

Tópico Título Respostas Views Last Postícone de ordenação Língua
Poesia/Amor Soma de poemas 5 866 02/27/2018 - 12:09 Português
Poesia/Geral Abismo em seu libré 0 1.070 12/04/2012 - 00:35 Português
Poesia/Geral Condado vermelho 0 1.412 11/30/2012 - 22:57 Português
Poesia/Geral Ois nos beijos 1 992 11/23/2012 - 11:08 Português
Poesia/Geral Dores ao relento 0 1.267 11/13/2012 - 21:05 Português
Poesia/Geral Memórias do norte 1 632 11/10/2012 - 19:03 Português
Poesia/Geral De vez tez cromo que espeta 0 1.248 11/05/2012 - 15:01 Português
Poesia/Geral Cacos de teus átomos 0 886 10/29/2012 - 10:47 Português
Poesia/Geral Corcovas nas ruas 0 1.371 10/22/2012 - 11:58 Português
Poesia/Geral Mademouselle 0 753 10/08/2012 - 15:56 Português
Poesia/Geral Semblantes do ontem 0 832 10/04/2012 - 02:29 Português
Poesia/Geral Extravio de si 0 908 09/25/2012 - 16:10 Português
Poesia/Geral Soprosos Mitos 0 1.471 09/17/2012 - 22:54 Português
Poesia/Geral La boheme 0 1.165 09/10/2012 - 15:51 Português
Poesia/Geral Mar da virgindade 2 728 08/27/2012 - 16:26 Português
Poesia/Geral Gatos-de-algália 0 1.493 07/30/2012 - 16:16 Português
Poesia/Geral Vidas de vidro num sutil beijo sem lábios 2 918 07/23/2012 - 01:48 Português
Poesia/Geral Vales do céu 0 780 07/10/2012 - 11:48 Português
Poesia/Geral Ana acorda 1 1.106 06/28/2012 - 17:05 Português
Poesia/Geral Prato das tardes de Bordô 0 795 06/19/2012 - 17:00 Português
Poesia/Geral Um sonho que se despe pela noite 0 877 06/11/2012 - 14:11 Português
Poesia/Geral Ave César! 0 1.768 05/29/2012 - 18:54 Português
Poesia/Geral Rodapés de Basiléia 1 928 05/24/2012 - 03:29 Português
Poesia/Geral As luzes falsas da noite 0 1.625 05/14/2012 - 02:08 Português
Poesia/Geral Noites com Caína 0 1.008 04/24/2012 - 16:19 Português