CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

Soprosos Mitos

Mataram, as canelas que eram passos
Vivosos na noite
A dar por bifes e pratos caros.

Quando o sangue escorre
É sinal que se abriu
Ou foi gerada

Urinar eternamente em luz nenhuma
Cultuar o que visão traz

Ponte da noite que contrapesava na dúvida,
Nossos monstros elétricos brincavam na chuva maldosa
                                                             De altaneiros verões
                                                             Nos beirais do suicídio.

Os torpedos despertos
Em prostitutas alheias
Aos bolos outros
De vista diminuta
O ser da noite
Em filho no punho

Quem quebra o que se cria?
Quem postula o que alimenta?

Não enxergar e abrir os olhos

No beco do osso
E no olho do estúpido

Na crina da cura
E na pólvora da vulva
O Alimento & Fuga

Madames caras não conheciam orações,
Exceto as preces que levam até aos anjos do gozo.
Mais de uma vez dançamos loucos pulos peióticos
Já do outro lado
Após as fogueiras do desafio,
Quando caímos todo o mundo se acalmava.

A duquesa levantou cedo uns cem anos
Criou sua cria
Enfeitiçou os gajos.

Ninguém pode saber da nossa fuga
E do nosso asilo leste em muros tijolos de gelo.

Foram doces aqueles dias
E como foram

Vidraças tímidas
Madrugadas sem vergonhas
Faladeira exposta toda mão
Com ancas desejosas
No exalar do êxtase.

Uma tem pílula à boca da chama
A nado
Em gritos
De quem procura um gemido
Feito pedra preciosa.

Submited by

segunda-feira, setembro 17, 2012 - 22:54

Poesia :

No votes yet

Alcantra

imagem de Alcantra
Offline
Título: Membro
Última vez online: há 6 anos 37 semanas
Membro desde: 04/14/2009
Conteúdos:
Pontos: 1563

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of Alcantra

Tópico Título Respostas Views Last Postícone de ordenação Língua
Poesia/Amor Soma de poemas 5 1.176 02/27/2018 - 12:09 Português
Poesia/Geral Abismo em seu libré 0 1.352 12/04/2012 - 00:35 Português
Poesia/Geral Condado vermelho 0 1.869 11/30/2012 - 22:57 Português
Poesia/Geral Ois nos beijos 1 1.258 11/23/2012 - 11:08 Português
Poesia/Geral Dores ao relento 0 1.553 11/13/2012 - 21:05 Português
Poesia/Geral Memórias do norte 1 785 11/10/2012 - 19:03 Português
Poesia/Geral De vez tez cromo que espeta 0 1.559 11/05/2012 - 15:01 Português
Poesia/Geral Cacos de teus átomos 0 1.119 10/29/2012 - 10:47 Português
Poesia/Geral Corcovas nas ruas 0 1.728 10/22/2012 - 11:58 Português
Poesia/Geral Mademouselle 0 971 10/08/2012 - 15:56 Português
Poesia/Geral Semblantes do ontem 0 1.120 10/04/2012 - 02:29 Português
Poesia/Geral Extravio de si 0 1.148 09/25/2012 - 16:10 Português
Poesia/Geral Soprosos Mitos 0 1.788 09/17/2012 - 22:54 Português
Poesia/Geral La boheme 0 1.520 09/10/2012 - 15:51 Português
Poesia/Geral Mar da virgindade 2 1.044 08/27/2012 - 16:26 Português
Poesia/Geral Gatos-de-algália 0 1.817 07/30/2012 - 16:16 Português
Poesia/Geral Vidas de vidro num sutil beijo sem lábios 2 1.156 07/23/2012 - 01:48 Português
Poesia/Geral Vales do céu 0 933 07/10/2012 - 11:48 Português
Poesia/Geral Ana acorda 1 1.410 06/28/2012 - 17:05 Português
Poesia/Geral Prato das tardes de Bordô 0 1.120 06/19/2012 - 17:00 Português
Poesia/Geral Um sonho que se despe pela noite 0 1.160 06/11/2012 - 14:11 Português
Poesia/Geral Ave César! 0 1.950 05/29/2012 - 18:54 Português
Poesia/Geral Rodapés de Basiléia 1 1.133 05/24/2012 - 03:29 Português
Poesia/Geral As luzes falsas da noite 0 1.920 05/14/2012 - 02:08 Português
Poesia/Geral Noites com Caína 0 1.204 04/24/2012 - 16:19 Português