CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

Dores ao relento

Costelas e pulmões invadidos,
O som da palavra da boca sufoca
Separa-se do eco como causo.

Pescoços guilhotinados de lâminas febris
Não amigo
Muito menos desespero do surpreendente

Espíritos sem licença aproximam-se
Todos os cavalos galopam para horizontes extraviados.

Vogamos caminhar pela onda rara do rio das trombas
Veja o escape que me pedes
A honra que procria
Se formos o rosto que se vira
Ou a pirâmide almofadada,
Cômodo dos aflitos e dos chapados.

Brincadeiras de nata do leite branco – superfície do velho

Respire meu caro, ainda estamos juntos!
Só que quando o aço do portão se fechar
Verás o acidente que te fez saltar até aqui.

Não era sete nem vinte...
Cada uva que caiu da parreira
Chora por tornar-se vinho.
Dança taças alegres por serem o que não foram suas irmãs.
Oh! Mera satisfação dum gole acre

Por um ano aquele velho coçou seus esféricos olhos
São pares pazes que se aproximam
De tão sofridas
Dos lábios livres queridos novamente.

Flecha arqueada do osso que pinga sangue
Como nós dedos que apertam teclas de pianos.

A chuva existia porque os pingos eram cristais da carícia

No outubro os pássaros voam feitos violões antigos no abrigo do toque
O perigo era palavra penetrada ao cimo monte
Pulo da cratera

Assentos ocupados por espíritos doidos
Com medo das palmas das mãos
Pérolas em sono

Corpos signos de Áries estirados ao chão,
Culpa do vento em colheita
Faces às águas pra terra chupar

Evocaram todos os astros sugados pelas galáxias
Na ponta destra da seta o rabiscão no maxilar em forma de parede de pedra
Que era antes planaltos brigões

Outras línguas vós ouvireis quando vossas almas fugirem todas
Para o simples cuidado após 
Escuros culposos do mistério

Ousamos ouvir gemidos sérios de todas as histórias contadas

Submited by

terça-feira, novembro 13, 2012 - 21:05

Poesia :

No votes yet

Alcantra

imagem de Alcantra
Offline
Título: Membro
Última vez online: há 5 anos 12 semanas
Membro desde: 04/14/2009
Conteúdos:
Pontos: 1563

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of Alcantra

Tópico Título Respostas Views Last Postícone de ordenação Língua
Poesia/Amor Soma de poemas 5 718 02/27/2018 - 12:09 Português
Poesia/Geral Abismo em seu libré 0 844 12/04/2012 - 00:35 Português
Poesia/Geral Condado vermelho 0 1.048 11/30/2012 - 22:57 Português
Poesia/Geral Ois nos beijos 1 850 11/23/2012 - 11:08 Português
Poesia/Geral Dores ao relento 0 1.064 11/13/2012 - 21:05 Português
Poesia/Geral Memórias do norte 1 522 11/10/2012 - 19:03 Português
Poesia/Geral De vez tez cromo que espeta 0 1.099 11/05/2012 - 15:01 Português
Poesia/Geral Cacos de teus átomos 0 765 10/29/2012 - 10:47 Português
Poesia/Geral Corcovas nas ruas 0 1.191 10/22/2012 - 11:58 Português
Poesia/Geral Mademouselle 0 665 10/08/2012 - 15:56 Português
Poesia/Geral Semblantes do ontem 0 620 10/04/2012 - 02:29 Português
Poesia/Geral Extravio de si 0 757 09/25/2012 - 16:10 Português
Poesia/Geral Soprosos Mitos 0 1.281 09/17/2012 - 22:54 Português
Poesia/Geral La boheme 0 954 09/10/2012 - 15:51 Português
Poesia/Geral Mar da virgindade 2 599 08/27/2012 - 16:26 Português
Poesia/Geral Gatos-de-algália 0 1.217 07/30/2012 - 16:16 Português
Poesia/Geral Vidas de vidro num sutil beijo sem lábios 2 765 07/23/2012 - 01:48 Português
Poesia/Geral Vales do céu 0 671 07/10/2012 - 11:48 Português
Poesia/Geral Ana acorda 1 939 06/28/2012 - 17:05 Português
Poesia/Geral Prato das tardes de Bordô 0 662 06/19/2012 - 17:00 Português
Poesia/Geral Um sonho que se despe pela noite 0 715 06/11/2012 - 14:11 Português
Poesia/Geral Ave César! 0 1.529 05/29/2012 - 18:54 Português
Poesia/Geral Rodapés de Basiléia 1 802 05/24/2012 - 03:29 Português
Poesia/Geral As luzes falsas da noite 0 1.446 05/14/2012 - 02:08 Português
Poesia/Geral Noites com Caína 0 899 04/24/2012 - 16:19 Português