CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

Greve Geral

Já me tentaram dizer a felicidade por aí…
Coisas de ser e fazer qual esses acorjados e mentidos que se escrevem democratas.
Ao fim de um par janelas abertas onde prorrogo cigarros fúteis, saturo a eufonia liminar dos pássaros transeuntes que voam em lenga-lenga.
Os poetas são uns ordinários vis que gostam de pássaros estúpidos.
Não existem pássaros!
Só ovelhas esvoaçantes que se alinham em rebanho na sofreguidão do repetir.
O mundo é um canteiro crónico de urinas onde mijam todos!
Eu sou o topo inferior da base.
Uma contradição que delira binários de fome, de sede e salários austeros.
Aglutino em torno de mim o vazio dos espaços que me deixam, dos que me partem e dos nunca me foram sequer o perto, o tangível, ou outro algo que me soubesse o afecto das mãos.
Tudo é cardinal.
Ilustração que faz do amor uma contrapartida de classe e renega o interactuo dos antagónicos.
A tenção que tem o operário na sua avidez por uma bela Marilyn género universitário, esbarra no fundo do porta-moedas sem tempo para erudições teatrais nem poder de compra senão para uma simples rapidinha não vá a doutora ter taxímetro.
Não adiro á perfeição.
Sei cruel e matemática esta assembleia de corpos desapaixonados que se manifestam a desvirtuar a curva Gauss.
No entanto insisto em desclassizar a minha classe!
O capital de merda que catadupa em chorrilho e análise propedêutica que faz do prévio epicentro do debate, retira os calos precisos ás enxadas da luta.
Uns afirmam por conveniência, outros por empregos e outros por direcção.
Oiço-os a conferir que temos de bater os exploradores com as armas deles!
Daí, amarfanham em cursos, discursos e radiografias que reescrevem os métodos de luta do proletariado, com palavras e faculdades e delírios em tertúlia estival como se a revolução fosse um part-time de meninos bem numa afirmação rebelde e juvenil na procura da melhor palavra que provoque a catarse do capitalismo.
Já me tentaram dizer a felicidade por aí…
Coisas de ser e fazer qual esses acorjados e mentidos que se escrevem democratas.
Como o invento do sorriso e só isso e mais…
As horas a olharem que o que nos é inalcançável pela expressão, pela palavra.
Amordaço prisioneira a liberdade no céu-da-boca.
É pelo brilho dos vermelhos que me dou a acertar despertadores.
E me sei, ou nos sei, na terra, do nunca é tarde para lutar
Fosse um tudo ou nada fácil não me ser para nos tentar…
E acreditaria nos bons modos das faculdades burguesas.
Olharia para os lados a benzer uns reles cêntimos que dariam para os livros e me tirariam para o pão.
É preciso acontecer.
Como o embrião desembaraçado que deslaça um mero sopro e faz do repente vida.
Queria que desaparecesse tudo á nossa volta sem ter de desaparecer.
Puta que pariu o verbo.
A sinestesia serve aos poetas torpes, não aos operários!
Que se foda o amor!
Greve Geral Já!

Submited by

domingo, maio 30, 2010 - 23:56

Poesia :

No votes yet

Lapis-Lazuli

imagem de Lapis-Lazuli
Offline
Título: Membro
Última vez online: há 5 anos 49 semanas
Membro desde: 01/12/2010
Conteúdos:
Pontos: 1178

Comentários

imagem de Susan

Re: Greve Geral

Um Protesto em Manifesto de palavras livres ,um vociferar histérico e farto .
Por isso Greve Geral .
Muito bom !!!
Abraços
Susan

imagem de Librisscriptaest

Re: Greve Geral

"Olharia para os lados a benzer uns reles cêntimos que dariam para os livros e me tirariam para o pão. "
Adoro parar para te ler...
As tuas criticas têm sempre um timbre intenso de sensibilidade...
Beijinho em ti, Lápis!
Inês

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of Lapis-Lazuli

Tópico Título Respostas Views Last Postícone de ordenação Língua
Fotos/ - 3517 1 1.936 03/13/2018 - 21:32 Português
Poesia/Aforismo In Vapore Sano 4 1.360 03/13/2018 - 21:32 inglês
Poesia/Aforismo Era só isto que eu queria dizer 1 1.084 02/27/2018 - 10:22 inglês
Poesia/Aforismo salgo :33 Isaías sonha que aos fala aos camones 0 1.028 06/20/2014 - 15:41 inglês
Poesia/Geral Boca Do Inferno 0 4.647 07/04/2013 - 22:44 Português
Poesia/Pensamentos veludo 3 1.722 05/15/2013 - 17:34 Português
Poesia/Aforismo Segundo Reza a Morte 0 1.208 10/04/2011 - 17:19 Português
Poesia/Meditação Fumo 0 1.457 09/23/2011 - 12:00 Português
Poesia/Aforismo De olhos fechados 3 1.873 09/20/2011 - 22:11 Português
Poesia/Aforismo Tundra 0 1.588 09/20/2011 - 16:36 Português
Poesia/Meditação Vazio 3 1.688 09/16/2011 - 11:00 Português
Poesia/Aforismo Intento 0 1.094 09/05/2011 - 16:52 Português
Poesia/Aforismo Palma Porque sim...Minha Senhora da Solidão 0 1.324 08/29/2011 - 11:13 Português
Poesia/Aforismo Editorial 0 1.430 08/29/2011 - 11:08 Português
Poesia/Pensamentos Ermo Corpo Desabitado 0 1.602 08/29/2011 - 11:04 Português
Poesia/Aforismo Dos passos que fazem eco 1 1.214 06/21/2011 - 22:06 Português
Poesia/Meditação Autoretrato sem dó menor 3 2.250 03/28/2011 - 23:34 Português
Poesia/Aforismo Todo o mundo que tenho 2 1.541 03/09/2011 - 08:23 Português
Fotos/ - 3516 0 2.695 11/24/2010 - 00:55 Português
Fotos/ - 3518 0 2.613 11/24/2010 - 00:55 Português
Fotos/ - 2672 0 3.765 11/24/2010 - 00:51 Português
Prosas/Outros A ultima vez no mundo 0 1.231 11/18/2010 - 23:56 Português
Prosas/Outros Os filhos de Emilia Batalha 0 1.549 11/18/2010 - 23:56 Português
Poesia/Desilusão Veredictos 0 1.202 11/18/2010 - 16:41 Português
Poesia/Intervenção Nada mais fácil que isto 0 1.633 11/18/2010 - 16:41 Português