CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

Momento

E Eu, dividido e disperso no tempo.
Dia por dias, passados e futuros, que me imprimem fotocópia.  
Imagino-me na totalidade, repartido por folhas diversas
Respeito instruções, a vida fora do corpo, de uma gráfica universal
Sigo à risca e metodicamente o manual do sapiens republicado
Onde à nascença foi carimbado o meu nome.

Para amanhã, já me dei à luz
Alimentei-me de rotina para morrer ao fim do dia
Mas hoje, sem a asma que sei que sentirei amanhã pela manhã
Sem o ar de frete que me trazem outros na cara na fila do trânsito
Sem trabalho, sem almoço, sem cigarros, sem mais trabalho a tarde toda
Sem o embrulho no estômago… jindungo no cu de todos os meus eus
Sem luzes agarradas aos faróis na fila de volta a casa
Sem banho, sem jantar, sem bola na TV, sem cama e sem sono 
Hoje, sem nada do que me fará ser eu amanhã.

Delírio passado ou verborreia inútil 
Nasci em partos complicados e criei-me igual todos os dias
E nem num apenas, me mandei a merda e fiquei a dormir.
Noites, insónias suadas
E guilhotinas suaves para encadernar vida em pensamentos.
Lição futura ou cáustica previsibilidade. 
Crio-me de novo, cómodo, e de novo e para o ano inteiro
Amamento-me e cresço nos lençóis surrados da preguiça de os mudar hoje

E eu, tantos
Já sou tantos, antes e depois, que agora, não sei qual sou realmente
Que importa, sou todos, uns iguais aos outros
E de todos, não quero ser nenhum de mim    
Convoquei-os, mesmo àqueles que já esqueci 
Reunião, assembleia-geral, eu com os meus eus reunidos à minha volta
Todos intimados a escrever sobre quem sou.

O tempo não existe
E eu, momento, folhas brancas.
Folhas brancas
Ou uma vida inteira.

Submited by

terça-feira, maio 21, 2013 - 15:38

Poesia :

No votes yet

nunomarques

imagem de nunomarques
Offline
Título: Membro
Última vez online: há 2 anos 32 semanas
Membro desde: 02/09/2010
Conteúdos:
Pontos: 1390

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of nunomarques

Tópico Título Respostas Views Last Postícone de ordenação Língua
Poesia/Geral Temporal 1 421 02/27/2018 - 10:17 Português
Poesia/Geral A coisa mais estúpida do mundo 1 731 02/27/2018 - 10:16 Português
Poesia/Geral Justificação racional 0 461 01/30/2015 - 11:36 Português
Poesia/Geral Perspectiva 0 575 01/29/2015 - 10:20 Português
Poesia/Geral Esclarecimento 0 415 09/09/2014 - 11:23 Português
Poesia/Geral Poema e chuva 1 594 05/25/2014 - 03:17 Português
Poesia/Geral Debruçado sobre a janela 0 590 03/17/2014 - 09:47 Português
Poesia/Geral Strange 0 589 03/17/2014 - 09:44 Português
Poesia/Geral Viver é sair para a rua de manhã, aprender a amar e à noite voltar para casa. 0 661 01/30/2014 - 19:37 Português
Poesia/Geral Interior 0 543 09/15/2013 - 10:00 Português
Poesia/Geral Ilusório 0 590 09/13/2013 - 16:26 Português
Poesia/Geral O fim é uma despedida sem adeus 0 1.363 09/09/2013 - 19:13 Português
Poesia/Geral Momento 0 539 05/21/2013 - 15:38 Português
Poesia/Geral “La folie” 0 419 05/08/2013 - 13:44 Português
Poesia/Geral Á luz de uma lua de Saturno 0 459 04/16/2013 - 08:10 Português
Poesia/Geral Insónia 0 337 04/15/2013 - 10:25 Português
Poesia/Geral Caravelas azuis céu adentro por dois mil anos 4 854 05/23/2012 - 22:28 Português
Poesia/Geral Concordata - O desejo 2 863 05/14/2012 - 15:38 Português
Poesia/Tristeza Qualquer coisa sem propósito 3 767 04/20/2012 - 14:24 Português
Poesia/Geral Concordata - A cena 1 754 03/07/2012 - 08:47 Português
Poesia/Geral Concordata - A máscara 2 713 03/07/2012 - 08:43 Português
Poesia/Geral Os meus braços são estradas 3 698 02/25/2012 - 15:59 Português
Poesia/Geral Dança bailarina até ao fim da noite 5 747 02/19/2012 - 22:45 Português
Poesia/Geral A fria realidade dos poemas sem calor 0 740 12/19/2011 - 20:29 Português
Poesia/Geral Há fantasmas por todo o lado 1 984 12/04/2011 - 21:36 Português