CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

Caravelas azuis céu adentro por dois mil anos

Desconheço as certezas que me atraem ao desconhecido
Um movimento causa efeito no brilho desta dúvida circular
Não tenho esperança de me encontrar nas perguntas que guardo
E guardo-as religiosamente, como segredos esquecidos no tempo.

Desacreditei teorias sobre a dor sem ter sofrido
Vou em procissão, levar toalhas quentes à angústia que me consome
E pelo caminho idealizar a morte por baixo da terra
Por não acompanhar a gravidez das estrelas todos os dias 
Nem assistir ao seu parto anunciado com ardor fora dos olhos.

Esqueci-me de acreditar

Caravelas azuis céu adentro por dois mil anos
Tenho esperado o meu nascer para começar.

Na origem a indiferença onde me guardo sem ambições.
Cai o lorpa na arcada por um abraço que ninguém me deu
Cresci e morei sempre à porta sem entrar
Com medo de pisar o mesmo chão, conhecer o padrão e ficar

Esqueçam-me todos, todos os dias em que não voltei
Esqueçam-me os lamentos e as ilusões que emprestei ao mundo
E afastem-me de vez, quando chegar a falar de amor.

Esqueci-me de acreditar

Caravelas azuis céu adentro por dois mil anos
Elevam-se as adagas e os escudos pela morte de um imperador.
Desenhei um rio com margens e com corrente
Porque só quero uma vista para o Nilo, na tarde da minha derrota.

Nuno Marques

Submited by

terça-feira, maio 22, 2012 - 01:12

Poesia :

Your rating: None (4 votes)

nunomarques

imagem de nunomarques
Offline
Título: Membro
Última vez online: há 2 anos 32 semanas
Membro desde: 02/09/2010
Conteúdos:
Pontos: 1390

Comentários

imagem de KeilaPatricia

Lindo, profundo e

Lindo, profundo e brilhante...

Adorei...

Bjs na alma

;)

imagem de MariaButterfly

Querer ser de novo… Outra vez

Querer ser de novo…
Outra vez os sonhos
Aqueles que foram morrendo
Sem acreditar
Só já se pede um final onde os olhos consigam
Vislumbrar o sonho.

Gosto muito da tua poesia.
Sempre.

Beijo

imagem de SuzeteBrainer

Fico feliz de ler-te

Fico feliz de ler-te novamente...

A tua poesia é um destaque aqui(na WAF) ou qualquer lugar que for postada.

Sou fã assumida da tua poesia, não sou nenhuma especialista técnica, apenas uma

leitora assídua de poesias, com um sentir muito profundo para reconhecê-las...

"Desconheço as certezas que me atraem ao desconhecido
Um movimento causa efeito no brilho desta dúvida circular
Não tenho esperança de me encontrar nas perguntas que guardo
E guardo-as religiosamente,como segredos esquecidos no tempo."

Simplesmente magnífico, meu amigo!

Bj.

imagem de GIL60

Gostei, amigo Nuno

Gostei, amigo Nuno.

Parabéns pelo excelente poema!

Abraço

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of nunomarques

Tópico Título Respostas Views Last Postícone de ordenação Língua
Poesia/Geral Temporal 1 420 02/27/2018 - 10:17 Português
Poesia/Geral A coisa mais estúpida do mundo 1 731 02/27/2018 - 10:16 Português
Poesia/Geral Justificação racional 0 461 01/30/2015 - 11:36 Português
Poesia/Geral Perspectiva 0 573 01/29/2015 - 10:20 Português
Poesia/Geral Esclarecimento 0 414 09/09/2014 - 11:23 Português
Poesia/Geral Poema e chuva 1 592 05/25/2014 - 03:17 Português
Poesia/Geral Debruçado sobre a janela 0 590 03/17/2014 - 09:47 Português
Poesia/Geral Strange 0 589 03/17/2014 - 09:44 Português
Poesia/Geral Viver é sair para a rua de manhã, aprender a amar e à noite voltar para casa. 0 661 01/30/2014 - 19:37 Português
Poesia/Geral Interior 0 542 09/15/2013 - 10:00 Português
Poesia/Geral Ilusório 0 590 09/13/2013 - 16:26 Português
Poesia/Geral O fim é uma despedida sem adeus 0 1.362 09/09/2013 - 19:13 Português
Poesia/Geral Momento 0 539 05/21/2013 - 15:38 Português
Poesia/Geral “La folie” 0 419 05/08/2013 - 13:44 Português
Poesia/Geral Á luz de uma lua de Saturno 0 459 04/16/2013 - 08:10 Português
Poesia/Geral Insónia 0 337 04/15/2013 - 10:25 Português
Poesia/Geral Caravelas azuis céu adentro por dois mil anos 4 853 05/23/2012 - 22:28 Português
Poesia/Geral Concordata - O desejo 2 862 05/14/2012 - 15:38 Português
Poesia/Tristeza Qualquer coisa sem propósito 3 767 04/20/2012 - 14:24 Português
Poesia/Geral Concordata - A cena 1 752 03/07/2012 - 08:47 Português
Poesia/Geral Concordata - A máscara 2 713 03/07/2012 - 08:43 Português
Poesia/Geral Os meus braços são estradas 3 698 02/25/2012 - 15:59 Português
Poesia/Geral Dança bailarina até ao fim da noite 5 746 02/19/2012 - 22:45 Português
Poesia/Geral A fria realidade dos poemas sem calor 0 739 12/19/2011 - 20:29 Português
Poesia/Geral Há fantasmas por todo o lado 1 984 12/04/2011 - 21:36 Português