CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

Os meus braços são estradas

 


um  café  em  Lisboa  onde  o  tempo
                           parou
                       estagnou
Onde
ainda espero       por ti        ao balcão.

No alto da torre
         na cumplicidade da chuva
                           o relógio
                                     diz que não vens

                                                     anuncia
                                  o constrangimento
                                          da eternidade.

Os meus braços
             são estradas para o teu corpo

tatuei-lhes um mapa
onde te gravei desejo                

Um caminho
                que não cheguei a percorrer.

Os meus braços
          são estradas para o abismo
                            caminhos a percorrer.


um  café  em  Lisboa  onde  o  tempo
                                                         parou
Onde
estarei ao balcão
                           à tua espera
                                                até morrer.

 

 

Nuno Marques

Submited by

sexta-feira, fevereiro 17, 2012 - 21:00

Poesia :

Your rating: None (2 votes)

nunomarques

imagem de nunomarques
Offline
Título: Membro
Última vez online: há 2 anos 33 semanas
Membro desde: 02/09/2010
Conteúdos:
Pontos: 1390

Comentários

imagem de SuzeteBrainer

Meu querido amigo, Quero

Meu querido amigo,

Quero agradecer-te por compartilhar com esse teu magnífico poema, para mim ficará guardado dentro da minha alma, como uma joía rara das grandes poesias lidas e inesquecíveis...

"Os meus braços

            são estradas para o teu corpo

tatuei-lhes um mapa

onde te gravei desejo

Um caminho

            que não cheguei a percorrer."

Lindo,lindo,lindo!!!

Um poema 10 estrelaswink

Beijosmiley

imagem de MariaButterfly

A espera inglória,que em

A espera inglória,

que  mesmo inglória, espera, sempre…

Gostei muito, mesmo.

Beijo
 

imagem de MarneDulinski

Os meus braços são estradas

Nuno Marques!

Linda poesia, meus parabéns,

Marne

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of nunomarques

Tópico Título Respostas Views Last Postícone de ordenação Língua
Poesia/Geral Temporal 1 422 02/27/2018 - 10:17 Português
Poesia/Geral A coisa mais estúpida do mundo 1 734 02/27/2018 - 10:16 Português
Poesia/Geral Justificação racional 0 462 01/30/2015 - 11:36 Português
Poesia/Geral Perspectiva 0 576 01/29/2015 - 10:20 Português
Poesia/Geral Esclarecimento 0 417 09/09/2014 - 11:23 Português
Poesia/Geral Poema e chuva 1 595 05/25/2014 - 03:17 Português
Poesia/Geral Debruçado sobre a janela 0 592 03/17/2014 - 09:47 Português
Poesia/Geral Strange 0 590 03/17/2014 - 09:44 Português
Poesia/Geral Viver é sair para a rua de manhã, aprender a amar e à noite voltar para casa. 0 663 01/30/2014 - 19:37 Português
Poesia/Geral Interior 0 544 09/15/2013 - 10:00 Português
Poesia/Geral Ilusório 0 592 09/13/2013 - 16:26 Português
Poesia/Geral O fim é uma despedida sem adeus 0 1.365 09/09/2013 - 19:13 Português
Poesia/Geral Momento 0 541 05/21/2013 - 15:38 Português
Poesia/Geral “La folie” 0 421 05/08/2013 - 13:44 Português
Poesia/Geral Á luz de uma lua de Saturno 0 461 04/16/2013 - 08:10 Português
Poesia/Geral Insónia 0 339 04/15/2013 - 10:25 Português
Poesia/Geral Caravelas azuis céu adentro por dois mil anos 4 855 05/23/2012 - 22:28 Português
Poesia/Geral Concordata - O desejo 2 864 05/14/2012 - 15:38 Português
Poesia/Tristeza Qualquer coisa sem propósito 3 769 04/20/2012 - 14:24 Português
Poesia/Geral Concordata - A cena 1 755 03/07/2012 - 08:47 Português
Poesia/Geral Concordata - A máscara 2 714 03/07/2012 - 08:43 Português
Poesia/Geral Os meus braços são estradas 3 700 02/25/2012 - 15:59 Português
Poesia/Geral Dança bailarina até ao fim da noite 5 748 02/19/2012 - 22:45 Português
Poesia/Geral A fria realidade dos poemas sem calor 0 742 12/19/2011 - 20:29 Português
Poesia/Geral Há fantasmas por todo o lado 1 985 12/04/2011 - 21:36 Português