CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

Avenidas de mim

Lá fora, tão afora
Britas tilintam pés com dedos
Dentro do escuro mudo
Que às vezes
Em milagres fala
E no mover do tempo
Cala-se

Estrelas – boca da noite
Lua – olho que nos olha

Aqueles estranháveis dentes escalando um sorriso adulto
Aquela fronte enrugada cavando uma raiva.

O descontrole total de toda forma humana descrita por lábios
Rostos e olhares.

As coisas estão paradas
Minhas pernas imóveis
Às vezes andam pela estrada da conversa.
Sou prisioneiro do meu gelo,
Do meu frio.
Algum relógio ainda tagarela
Alguma parede aquém
Admite minha ausência.

Eis-me aqui espiritado incidentemente petulante.

Sentes solitário,
Não,
Não sentes solitário
Estás cercado pelo repleto de si,
Outros de si mesmo odeiam-te.

Palpar, palpar o único enlace para consigo mesmo.
Não estivemos aqui e aqui estamos
Vertidos em línguas amargas com sede de loucura.

Um corpo cai ao intento desvelar
De mil passagens oníricas,
Quão febris arrebentam um cérebro.

Ouçam crianças!
A raiva lutando nas veias quentes
Densa líquida escorre,
Intensa, carregada, profunda...

Submited by

terça-feira, dezembro 15, 2009 - 19:42

Ministério da Poesia :

No votes yet

Alcantra

imagem de Alcantra
Offline
Título: Membro
Última vez online: há 5 anos 20 semanas
Membro desde: 04/14/2009
Conteúdos:
Pontos: 1563

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of Alcantra

Tópico Título Respostas Views Last Postícone de ordenação Língua
Poesia/Amor Soma de poemas 5 750 02/27/2018 - 12:09 Português
Poesia/Geral Abismo em seu libré 0 943 12/04/2012 - 00:35 Português
Poesia/Geral Condado vermelho 0 1.225 11/30/2012 - 22:57 Português
Poesia/Geral Ois nos beijos 1 924 11/23/2012 - 11:08 Português
Poesia/Geral Dores ao relento 0 1.182 11/13/2012 - 21:05 Português
Poesia/Geral Memórias do norte 1 566 11/10/2012 - 19:03 Português
Poesia/Geral De vez tez cromo que espeta 0 1.142 11/05/2012 - 15:01 Português
Poesia/Geral Cacos de teus átomos 0 809 10/29/2012 - 10:47 Português
Poesia/Geral Corcovas nas ruas 0 1.289 10/22/2012 - 11:58 Português
Poesia/Geral Mademouselle 0 694 10/08/2012 - 15:56 Português
Poesia/Geral Semblantes do ontem 0 745 10/04/2012 - 02:29 Português
Poesia/Geral Extravio de si 0 826 09/25/2012 - 16:10 Português
Poesia/Geral Soprosos Mitos 0 1.380 09/17/2012 - 22:54 Português
Poesia/Geral La boheme 0 1.015 09/10/2012 - 15:51 Português
Poesia/Geral Mar da virgindade 2 657 08/27/2012 - 16:26 Português
Poesia/Geral Gatos-de-algália 0 1.349 07/30/2012 - 16:16 Português
Poesia/Geral Vidas de vidro num sutil beijo sem lábios 2 862 07/23/2012 - 01:48 Português
Poesia/Geral Vales do céu 0 712 07/10/2012 - 11:48 Português
Poesia/Geral Ana acorda 1 1.010 06/28/2012 - 17:05 Português
Poesia/Geral Prato das tardes de Bordô 0 689 06/19/2012 - 17:00 Português
Poesia/Geral Um sonho que se despe pela noite 0 794 06/11/2012 - 14:11 Português
Poesia/Geral Ave César! 0 1.683 05/29/2012 - 18:54 Português
Poesia/Geral Rodapés de Basiléia 1 859 05/24/2012 - 03:29 Português
Poesia/Geral As luzes falsas da noite 0 1.526 05/14/2012 - 02:08 Português
Poesia/Geral Noites com Caína 0 949 04/24/2012 - 16:19 Português