CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

Bocas que sangram

Pérfida natureza para com aspirações,
Desnorteante golpe de aríete
De súbita parada daquilo que um sonho tenta alcançar,
Ou, quiçá
Simplesmentemente uma ardente vontade que uma triste alma pode ponderar.

Pega-nos como mãos-atiradeiras de pedras,
Num segundo somos friamente lançados
Para um novo desespero quicante
Sobre a superfície dum lago que chamamos de vida.

Adiante, mais adiante fica quem sabe o destino,
Só que aqui paira o desatino
E num “desato de tino” somos emanados auriformementemente
De nossos corpos empalados
Num suplício onde o fado teima em nos espetar pelo ânus.

Escorraçados, pomos-nos em fuga
À espera de um milagre ao gentio cru
Na maledicência do imperfeito...
Tão perfeito cavaleiro que com braços fortes presos às rédeas
Forçam o bridão contra nossas bocas.
Somos o cavalo tentando lutar com nossos pescoços,
Incapacitados
Escarificados somos guiados
Por uma estrela que ainda não sabe dançar.

Tal falta de jeito
Conduz-nos em passos totalmente desritmados
Na eloquência da loucura do acaso
&
Tão
Novamente escorraçados, pomos-nos em fuga.

Submited by

terça-feira, dezembro 15, 2009 - 19:47

Ministério da Poesia :

No votes yet

Alcantra

imagem de Alcantra
Offline
Título: Membro
Última vez online: há 5 anos 20 semanas
Membro desde: 04/14/2009
Conteúdos:
Pontos: 1563

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of Alcantra

Tópico Título Respostas Views Last Postícone de ordenação Língua
Poesia/Amor Soma de poemas 5 750 02/27/2018 - 12:09 Português
Poesia/Geral Abismo em seu libré 0 943 12/04/2012 - 00:35 Português
Poesia/Geral Condado vermelho 0 1.226 11/30/2012 - 22:57 Português
Poesia/Geral Ois nos beijos 1 924 11/23/2012 - 11:08 Português
Poesia/Geral Dores ao relento 0 1.182 11/13/2012 - 21:05 Português
Poesia/Geral Memórias do norte 1 566 11/10/2012 - 19:03 Português
Poesia/Geral De vez tez cromo que espeta 0 1.144 11/05/2012 - 15:01 Português
Poesia/Geral Cacos de teus átomos 0 809 10/29/2012 - 10:47 Português
Poesia/Geral Corcovas nas ruas 0 1.289 10/22/2012 - 11:58 Português
Poesia/Geral Mademouselle 0 694 10/08/2012 - 15:56 Português
Poesia/Geral Semblantes do ontem 0 745 10/04/2012 - 02:29 Português
Poesia/Geral Extravio de si 0 826 09/25/2012 - 16:10 Português
Poesia/Geral Soprosos Mitos 0 1.381 09/17/2012 - 22:54 Português
Poesia/Geral La boheme 0 1.015 09/10/2012 - 15:51 Português
Poesia/Geral Mar da virgindade 2 657 08/27/2012 - 16:26 Português
Poesia/Geral Gatos-de-algália 0 1.349 07/30/2012 - 16:16 Português
Poesia/Geral Vidas de vidro num sutil beijo sem lábios 2 862 07/23/2012 - 01:48 Português
Poesia/Geral Vales do céu 0 713 07/10/2012 - 11:48 Português
Poesia/Geral Ana acorda 1 1.010 06/28/2012 - 17:05 Português
Poesia/Geral Prato das tardes de Bordô 0 689 06/19/2012 - 17:00 Português
Poesia/Geral Um sonho que se despe pela noite 0 794 06/11/2012 - 14:11 Português
Poesia/Geral Ave César! 0 1.684 05/29/2012 - 18:54 Português
Poesia/Geral Rodapés de Basiléia 1 859 05/24/2012 - 03:29 Português
Poesia/Geral As luzes falsas da noite 0 1.526 05/14/2012 - 02:08 Português
Poesia/Geral Noites com Caína 0 949 04/24/2012 - 16:19 Português