CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

Desordem de Chronos

                      

 

                           Tempo primordial, contínuo e final.
                                                                     A espiral, organiza o caos.
                                      Incorpóreo, bola de cristal,
                                                                                 criativo universo: terra, mar e céu…
                                                                                               aos meus olhos.
                                                         Verso reflexo 
                                    desatina
                                                sem nexo, perplexo.
             Rima assassina
                                                                         canto e voz na fúria do vento.
                                   A vida que nos aproxima,
                                                                                                         morte que nos separa.
                                                         Faca. O gume, o frio da foice.
                         O rio, a barca
                                         e o barqueiro, que não repara
                                                                              aqui e além margem…
o canto da coruja
                                                                            no sopro quente da aragem.
              Tempo, meu. Tempo, de todos. De ninguém
                                                                               sem fim, em final
                                                                                                                      crónico.
                                   O intervalo, liberta o voo da ave.
                                                   A desordem, o bater das asas.

 

 

 

 

Nuno Marques
 

Submited by

terça-feira, fevereiro 1, 2011 - 19:58

Poesia :

No votes yet

nunomarques

imagem de nunomarques
Offline
Título: Membro
Última vez online: há 2 anos 46 semanas
Membro desde: 02/09/2010
Conteúdos:
Pontos: 1390

Comentários

imagem de SuzeteBrainer

Belíssimo poema em que as

Belíssimo poema em que as palavras dançam como um vôo aparentemente desordenado,mas no sentido exato do essencial...

Na tua poesia,encontramos sempre a inspiração cristalina e belas construções poéticas.

Beijosmiley

imagem de Susan

Poema rico cheio de

Poema rico cheio de formas 

e cores vistas aos  meus olhos ....

Uma bela desordem 

que no final me olha 

sorri e bati as asas ...

beijos

Susan

imagem de rainbowsky

Desordem

O tempo em final crónico. A desordem o bater das asas.

E o barqueiro nem repara.

Eu se fosse o barqueiro nao repararia de certeza. Iria ao fundo na plenitude da minha incapcidade e habilidate para a natação.

O mundo em desordem. Vejo-me nele. É nos intervalos que voo, mas é na maior parte do tempo, que me perco.

Mais um grande poema.

Abraço

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of nunomarques

Tópico Título Respostas Views Last Postícone de ordenação Língua
Poesia/Geral Temporal 1 470 02/27/2018 - 11:17 Português
Poesia/Geral A coisa mais estúpida do mundo 1 791 02/27/2018 - 11:16 Português
Poesia/Geral Justificação racional 0 496 01/30/2015 - 12:36 Português
Poesia/Geral Perspectiva 0 629 01/29/2015 - 11:20 Português
Poesia/Geral Esclarecimento 0 456 09/09/2014 - 12:23 Português
Poesia/Geral Poema e chuva 1 624 05/25/2014 - 04:17 Português
Poesia/Geral Debruçado sobre a janela 0 649 03/17/2014 - 10:47 Português
Poesia/Geral Strange 0 638 03/17/2014 - 10:44 Português
Poesia/Geral Viver é sair para a rua de manhã, aprender a amar e à noite voltar para casa. 0 716 01/30/2014 - 20:37 Português
Poesia/Geral Interior 0 570 09/15/2013 - 11:00 Português
Poesia/Geral Ilusório 0 625 09/13/2013 - 17:26 Português
Poesia/Geral O fim é uma despedida sem adeus 0 1.389 09/09/2013 - 20:13 Português
Poesia/Geral Momento 0 589 05/21/2013 - 16:38 Português
Poesia/Geral “La folie” 0 458 05/08/2013 - 14:44 Português
Poesia/Geral Á luz de uma lua de Saturno 0 492 04/16/2013 - 09:10 Português
Poesia/Geral Insónia 0 365 04/15/2013 - 11:25 Português
Poesia/Geral Caravelas azuis céu adentro por dois mil anos 4 903 05/23/2012 - 23:28 Português
Poesia/Geral Concordata - O desejo 2 916 05/14/2012 - 16:38 Português
Poesia/Tristeza Qualquer coisa sem propósito 3 814 04/20/2012 - 15:24 Português
Poesia/Geral Concordata - A cena 1 804 03/07/2012 - 09:47 Português
Poesia/Geral Concordata - A máscara 2 742 03/07/2012 - 09:43 Português
Poesia/Geral Os meus braços são estradas 3 719 02/25/2012 - 16:59 Português
Poesia/Geral Dança bailarina até ao fim da noite 5 791 02/19/2012 - 23:45 Português
Poesia/Geral A fria realidade dos poemas sem calor 0 776 12/19/2011 - 21:29 Português
Poesia/Geral Há fantasmas por todo o lado 1 1.012 12/04/2011 - 22:36 Português