CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

O abismo (Do ser)

 

 

Olhos vidrados no nada

Vazio por dentro a cingir

A sentir, a dor de existir.

Corpo.

A agonia da prisão

O silêncio dos muros

Que cercam a visão.

Fuga desesperada

À realidade instigadora.

Sanidade indesejada.

Dolorosa. Mente.

Arrepios.

Ao percorrer a estrada

Nos passos do pecador.

Desvios.

Semblante de predador

Ao rosto acorrentado.

Sentimento opressor.

Mas. Morra.

Taça vertida de teias

Um trago deste acre licor

Dor, a latejar pelas veias.

Corpo.

Demoram-se as agulhas

Cosendo noites aos dias

Tendo o abismo nas linhas.

 

 

 

Nuno Marques
 

Submited by

sexta-feira, janeiro 28, 2011 - 17:30

Poesia :

Your rating: None (1 vote)

nunomarques

imagem de nunomarques
Offline
Título: Membro
Última vez online: há 2 anos 46 semanas
Membro desde: 02/09/2010
Conteúdos:
Pontos: 1390

Comentários

imagem de Clarisse

O abismo (Do ser)

Olá Nuno,


O título espelha bem o teor do poema. Abismo, dor, agonia, a prisão de existir num corpo físico e com as devidas limitações que a ele estão inerentes. Fantástico! A fuga pode até parecer a solução, mas ela não levará a nada, porquanto teremos a voltar...

Gostei muito!
 

Saudações,
Clarisse
 

imagem de SuzeteBrainer

Poema belo e intenso,onde a

Poema belo e intenso,onde a força das palavras acionam uma inquietante reflexão...

Adorei como sempre!

Beijo  

smileySuzete.

imagem de SuzeteBrainer

Poema belo e intenso,onde a

Poema belo e intenso,onde a força das palavras acionam uma inquietante reflexão...

Adorei como sempre!

Beijo  

smileySuzete.

imagem de angelofdeath

Simplesmente fantásico, a

Simplesmente fantásico, a forma intenso que retratas a misera existência humana em tão poucas palavras, não há maneira de ficar indiferente a este poema, abraços, Angelofdeath.:)

imagem de rainbowsky

  Olá amigo!   Olhos

 

Olá amigo!

 

Olhos vidrados no nada

Vazio por dentro a cingir

A sentir, a dor de existir.

 

Mais um poema que se entranha nas minhas entranhas. E posso senti-lo e compreendê-lo tal é o que sinto.

Quando te leio sei sempre que posso ser surpreendido pelo que leio, mas nunca pela qualidade e  sensibilidade que os teus poemas emanam.

Um abraço

 

rainbowsky

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of nunomarques

Tópico Título Respostas Views Last Postícone de ordenação Língua
Poesia/Geral Temporal 1 470 02/27/2018 - 11:17 Português
Poesia/Geral A coisa mais estúpida do mundo 1 796 02/27/2018 - 11:16 Português
Poesia/Geral Justificação racional 0 499 01/30/2015 - 12:36 Português
Poesia/Geral Perspectiva 0 630 01/29/2015 - 11:20 Português
Poesia/Geral Esclarecimento 0 456 09/09/2014 - 12:23 Português
Poesia/Geral Poema e chuva 1 625 05/25/2014 - 04:17 Português
Poesia/Geral Debruçado sobre a janela 0 649 03/17/2014 - 10:47 Português
Poesia/Geral Strange 0 642 03/17/2014 - 10:44 Português
Poesia/Geral Viver é sair para a rua de manhã, aprender a amar e à noite voltar para casa. 0 716 01/30/2014 - 20:37 Português
Poesia/Geral Interior 0 570 09/15/2013 - 11:00 Português
Poesia/Geral Ilusório 0 627 09/13/2013 - 17:26 Português
Poesia/Geral O fim é uma despedida sem adeus 0 1.390 09/09/2013 - 20:13 Português
Poesia/Geral Momento 0 589 05/21/2013 - 16:38 Português
Poesia/Geral “La folie” 0 458 05/08/2013 - 14:44 Português
Poesia/Geral Á luz de uma lua de Saturno 0 492 04/16/2013 - 09:10 Português
Poesia/Geral Insónia 0 367 04/15/2013 - 11:25 Português
Poesia/Geral Caravelas azuis céu adentro por dois mil anos 4 904 05/23/2012 - 23:28 Português
Poesia/Geral Concordata - O desejo 2 916 05/14/2012 - 16:38 Português
Poesia/Tristeza Qualquer coisa sem propósito 3 815 04/20/2012 - 15:24 Português
Poesia/Geral Concordata - A cena 1 805 03/07/2012 - 09:47 Português
Poesia/Geral Concordata - A máscara 2 746 03/07/2012 - 09:43 Português
Poesia/Geral Os meus braços são estradas 3 719 02/25/2012 - 16:59 Português
Poesia/Geral Dança bailarina até ao fim da noite 5 792 02/19/2012 - 23:45 Português
Poesia/Geral A fria realidade dos poemas sem calor 0 777 12/19/2011 - 21:29 Português
Poesia/Geral Há fantasmas por todo o lado 1 1.014 12/04/2011 - 22:36 Português