CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

Títulos Quebrados

Sugaram todo o sangue de meu corpo
Secaram minhas veias
Assim, assumo minha face
Sem essência ou sonhos
Sem nuances ou vulnerabilidades.
Deixo a dó para os tolos
Que só enxergam delírios
Que só farejam sombras

Não sou feito de abraços

Alicerce fim de maré
Num caminhar de sábado
Pelas ruas de domingo

Noite montada na lua
Frase engasgada em língua
Sonolência triangular de quina parede
Ruído sono, sonho alçado
Abrir flor-aço com as mãos da manhã
Tristeza choca mole de vento em luto

Coisas que pendem
Coisas pendidas
Pendem pendidas coisas largadas pelo cair

Assombrar minha existência...
Ver, ver até piscar
Piscar, piscar até fitar
Fita, pisca glândula do olho
No caixão crânio

E ela era um anjo...
Distorcido ano sem alcance
Astuto fino partido perdido
Afundado beijo na areia do rosto
Na água da boca
Em profundezas de desejos.

Todas as ruas atravessam vidas
Embicadas lanças de satisfação.
Todas as vidas atravessam avenidas de vácuos
Tombando pescoços em doses de reação.

Submited by

terça-feira, dezembro 15, 2009 - 19:50

Ministério da Poesia :

No votes yet

Alcantra

imagem de Alcantra
Offline
Título: Membro
Última vez online: há 5 anos 21 semanas
Membro desde: 04/14/2009
Conteúdos:
Pontos: 1563

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of Alcantra

Tópico Título Respostas Views Last Postícone de ordenação Língua
Poesia/Amor Soma de poemas 5 755 02/27/2018 - 12:09 Português
Poesia/Geral Abismo em seu libré 0 958 12/04/2012 - 00:35 Português
Poesia/Geral Condado vermelho 0 1.233 11/30/2012 - 22:57 Português
Poesia/Geral Ois nos beijos 1 932 11/23/2012 - 11:08 Português
Poesia/Geral Dores ao relento 0 1.190 11/13/2012 - 21:05 Português
Poesia/Geral Memórias do norte 1 577 11/10/2012 - 19:03 Português
Poesia/Geral De vez tez cromo que espeta 0 1.152 11/05/2012 - 15:01 Português
Poesia/Geral Cacos de teus átomos 0 817 10/29/2012 - 10:47 Português
Poesia/Geral Corcovas nas ruas 0 1.296 10/22/2012 - 11:58 Português
Poesia/Geral Mademouselle 0 696 10/08/2012 - 15:56 Português
Poesia/Geral Semblantes do ontem 0 754 10/04/2012 - 02:29 Português
Poesia/Geral Extravio de si 0 830 09/25/2012 - 16:10 Português
Poesia/Geral Soprosos Mitos 0 1.386 09/17/2012 - 22:54 Português
Poesia/Geral La boheme 0 1.025 09/10/2012 - 15:51 Português
Poesia/Geral Mar da virgindade 2 664 08/27/2012 - 16:26 Português
Poesia/Geral Gatos-de-algália 0 1.360 07/30/2012 - 16:16 Português
Poesia/Geral Vidas de vidro num sutil beijo sem lábios 2 868 07/23/2012 - 01:48 Português
Poesia/Geral Vales do céu 0 719 07/10/2012 - 11:48 Português
Poesia/Geral Ana acorda 1 1.017 06/28/2012 - 17:05 Português
Poesia/Geral Prato das tardes de Bordô 0 694 06/19/2012 - 17:00 Português
Poesia/Geral Um sonho que se despe pela noite 0 799 06/11/2012 - 14:11 Português
Poesia/Geral Ave César! 0 1.693 05/29/2012 - 18:54 Português
Poesia/Geral Rodapés de Basiléia 1 863 05/24/2012 - 03:29 Português
Poesia/Geral As luzes falsas da noite 0 1.530 05/14/2012 - 02:08 Português
Poesia/Geral Noites com Caína 0 958 04/24/2012 - 16:19 Português