CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

Tacto dulcífico

Nunca mais atacarás
Jamais tactearás
Ares expressivos duma ferida aberta
Ao sonâmbulo aguçado
Semblante dum rosto deitado ao gemido.

Viajante tempo incrédulo

Sem mentiras montadas ao suave,
Em leves falsidades estirpadas
Tentando encontrar uma fina brecha
Na estrela que esconde um nome,
Na noite que brinca inocente.
No em tanto
Tanto e tanto faz

Quantas vezes chorastes
Quiçá disseste
Aquém mais que aquém
Uma selvagem fera fora solta ao tumulto
Ao descontrole que não sabe rezar.

Uma prece pediste!
Uma Ave Maria saída duma boca mecânica imploraste!
Ouves?
Sabes?

E desceu correndo como criança
Que foge de seu próprio sonho.
Havia aí um som penetrante latejante?
Falar-te-ão,
Do enforcamento primaveral assustador
Da travessia imunda
De suma primazia do murmúrio

A vida é uma armadilha
Na qual
Viver ás vezes é insuportável.

Muitamente exultou sua oração tão muitamente
Gravada grávida pronta para parir
Sob uma piscadela desmaiada

Blablabando apareceste
Permanentemente estático
Largado imóvel
Deste sangue congelado em fria veia
Nervos tornam-se pedras
Um olhar um aço
Incapaz de dizer maleabilidades

Um cigarro negro flutuante em cantolábio
Mostrando a distanteamente
Beleza nua tímida delicada

Tem dias que esquecer é preciso

Minha morte bem concebida
Na intenção de minha sobrevivência
Fecunda tão quanto infecunda
Que aduz e jaz o espírito em mim

Submited by

terça-feira, dezembro 15, 2009 - 20:03

Ministério da Poesia :

No votes yet

Alcantra

imagem de Alcantra
Offline
Título: Membro
Última vez online: há 5 anos 20 semanas
Membro desde: 04/14/2009
Conteúdos:
Pontos: 1563

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of Alcantra

Tópico Título Respostas Views Last Postícone de ordenação Língua
Poesia/Amor Soma de poemas 5 750 02/27/2018 - 12:09 Português
Poesia/Geral Abismo em seu libré 0 943 12/04/2012 - 00:35 Português
Poesia/Geral Condado vermelho 0 1.225 11/30/2012 - 22:57 Português
Poesia/Geral Ois nos beijos 1 924 11/23/2012 - 11:08 Português
Poesia/Geral Dores ao relento 0 1.182 11/13/2012 - 21:05 Português
Poesia/Geral Memórias do norte 1 566 11/10/2012 - 19:03 Português
Poesia/Geral De vez tez cromo que espeta 0 1.142 11/05/2012 - 15:01 Português
Poesia/Geral Cacos de teus átomos 0 809 10/29/2012 - 10:47 Português
Poesia/Geral Corcovas nas ruas 0 1.289 10/22/2012 - 11:58 Português
Poesia/Geral Mademouselle 0 694 10/08/2012 - 15:56 Português
Poesia/Geral Semblantes do ontem 0 745 10/04/2012 - 02:29 Português
Poesia/Geral Extravio de si 0 826 09/25/2012 - 16:10 Português
Poesia/Geral Soprosos Mitos 0 1.380 09/17/2012 - 22:54 Português
Poesia/Geral La boheme 0 1.015 09/10/2012 - 15:51 Português
Poesia/Geral Mar da virgindade 2 657 08/27/2012 - 16:26 Português
Poesia/Geral Gatos-de-algália 0 1.349 07/30/2012 - 16:16 Português
Poesia/Geral Vidas de vidro num sutil beijo sem lábios 2 862 07/23/2012 - 01:48 Português
Poesia/Geral Vales do céu 0 712 07/10/2012 - 11:48 Português
Poesia/Geral Ana acorda 1 1.010 06/28/2012 - 17:05 Português
Poesia/Geral Prato das tardes de Bordô 0 689 06/19/2012 - 17:00 Português
Poesia/Geral Um sonho que se despe pela noite 0 794 06/11/2012 - 14:11 Português
Poesia/Geral Ave César! 0 1.683 05/29/2012 - 18:54 Português
Poesia/Geral Rodapés de Basiléia 1 859 05/24/2012 - 03:29 Português
Poesia/Geral As luzes falsas da noite 0 1.526 05/14/2012 - 02:08 Português
Poesia/Geral Noites com Caína 0 949 04/24/2012 - 16:19 Português