O triunfo dos relógios ...

O tempo,

Sempre melhor o que passou
Por mim, todos os sonhos, habituais
Profissões e talentos, familiares
Que nunca vi, pensar que vivi
É realmente um mistério e o tempo,

Sempre melhor o que passou,
Assim como a impressão de claustro
Que sempre existe no fim de cada
Cela, em mim a mesma e igual sombra,
Um mesmo coração cheio de vidros

E dor, o triunfo dos relógios, das
Sensações sem precisão demais...
O despontar de ridículos remorsos,
Um prazer intimo de sermos quem
Não somos tal como é a obediência

A estranhos que passam por nós fazendo
A respiração pela boca, sempre
Melhor quem passou que quem fica
Como que se apaga o que sou sem ser,
Tão vago, magra visão ou modo de olhar

O tempo.

Joel Matos (04/2018)
http://joel-matos.blogspot.com

Submited by

Wednesday, April 18, 2018 - 17:24

Poesia :

Your rating: None (1 vote)

Joel

Joel's picture
Offline
Title: Membro
Last seen: 10 weeks 1 day ago
Joined: 12/20/2009
Posts:
Points: 42009

Comments

Joel's picture

.

.

Joel's picture

O tempo, Sempre melhor o que

O tempo,

Sempre melhor o que passou
Por mim, todos os sonhos, habituais
Profissões e talentos, familiares
Que nunca vi, pensar que vivi
É realmente um mistério e o tempo,

Sempre melhor o que passou,
Assim como a impressão de claustro
Que sempre existe no fim de cada
Cela,

Joel's picture

O tempo, Sempre melhor o que

O tempo,

Sempre melhor o que passou
Por mim, todos os sonhos, habituais
Profissões e talentos, familiares
Que nunca vi, pensar que vivi
É realmente um mistério e o tempo,

Sempre melhor o que passou,
Assim como a impressão de claustro
Que sempre existe no fim de cada
Cela,

Joel's picture

O tempo, Sempre melhor o que

O tempo,

Sempre melhor o que passou
Por mim, todos os sonhos, habituais
Profissões e talentos, familiares
Que nunca vi, pensar que vivi
É realmente um mistério e o tempo,

Sempre melhor o que passou,
Assim como a impressão de claustro
Que sempre existe no fim de cada
Cela,

Joel's picture

O tempo, Sempre melhor o que

O tempo,

Sempre melhor o que passou
Por mim, todos os sonhos, habituais
Profissões e talentos, familiares
Que nunca vi, pensar que vivi
É realmente um mistério e o tempo,

Sempre melhor o que passou,
Assim como a impressão de claustro
Que sempre existe no fim de cada
Cela,

Joel's picture

O tempo, Sempre melhor o que

O tempo,

Sempre melhor o que passou
Por mim, todos os sonhos, habituais
Profissões e talentos, familiares
Que nunca vi, pensar que vivi
É realmente um mistério e o tempo,

Sempre melhor o que passou,
Assim como a impressão de claustro
Que sempre existe no fim de cada
Cela,

Joel's picture

O tempo, Sempre melhor o que

O tempo,

Sempre melhor o que passou
Por mim, todos os sonhos, habituais
Profissões e talentos, familiares
Que nunca vi, pensar que vivi
É realmente um mistério e o tempo,

Sempre melhor o que passou,
Assim como a impressão de claustro
Que sempre existe no fim de cada
Cela,

Joel's picture

O tempo, Sempre melhor o que

O tempo,

Sempre melhor o que passou
Por mim, todos os sonhos, habituais
Profissões e talentos, familiares
Que nunca vi, pensar que vivi
É realmente um mistério e o tempo,

Sempre melhor o que passou,
Assim como a impressão de claustro
Que sempre existe no fim de cada
Cela,

Joel's picture

O tempo, Sempre melhor o que

O tempo,

Sempre melhor o que passou
Por mim, todos os sonhos, habituais
Profissões e talentos, familiares
Que nunca vi, pensar que vivi
É realmente um mistério e o tempo,

Sempre melhor o que passou,
Assim como a impressão de claustro
Que sempre existe no fim de cada
Cela,

Joel's picture

O tempo, Sempre melhor o que

O tempo,

Sempre melhor o que passou
Por mim, todos os sonhos, habituais
Profissões e talentos, familiares
Que nunca vi, pensar que vivi
É realmente um mistério e o tempo,

Sempre melhor o que passou,
Assim como a impressão de claustro
Que sempre existe no fim de cada
Cela,

Add comment

Login to post comments

other contents of Joel

Topic Title Replies Views Last Postsort icon Language
Poesia/General Pra lá do crepúsculo 30 243 03/06/2024 - 12:12 Portuguese
Poesia/General Por onde passo não há s’trada. 30 289 02/18/2024 - 21:21 Portuguese
Poesia/General Sonhei-me sonhando, 17 339 02/12/2024 - 17:06 Portuguese
Ministério da Poesia/General A alegria que eu tinha 23 243 12/11/2023 - 21:29 Portuguese
Ministério da Poesia/General Notas de um velho nojento 7 267 12/06/2023 - 22:30 Portuguese
Ministério da Poesia/General (Creio apenas no que sinto) 17 169 12/02/2023 - 11:12 Portuguese
Ministério da Poesia/General Vamos falar de mapas 15 371 11/30/2023 - 12:20 Portuguese
Ministério da Poesia/General São como nossas as lágrimas 9 298 11/28/2023 - 12:11 Portuguese
Poesia/General Entrego-me a quem eu era, 28 378 11/28/2023 - 11:47 Portuguese
Ministério da Poesia/General O Homem é um animal “púbico” 11 239 11/26/2023 - 19:59 Portuguese
Ministério da Poesia/General A essência do uso é o abuso, 1 490 11/25/2023 - 12:02 Portuguese
Ministério da Poesia/General Insha’Allah 2 276 11/24/2023 - 13:43 Portuguese
Ministério da Poesia/General No meu espírito chove sempre, 12 265 11/24/2023 - 13:42 Portuguese
Ministério da Poesia/General Os destinos mil de mim mesmo. 21 296 11/24/2023 - 13:42 Portuguese
Poesia/General “Daqui-a-nada” 20 884 11/24/2023 - 12:17 Portuguese
Ministério da Poesia/General Cada passo que dou 0 404 11/24/2023 - 10:27 Portuguese
Ministério da Poesia/General Quem sou … 0 363 11/24/2023 - 10:26 Portuguese
Ministério da Poesia/General Ricardo Reis 0 97 11/24/2023 - 10:24 Portuguese
Ministério da Poesia/General A dança continua 0 242 11/24/2023 - 10:23 Portuguese
Ministério da Poesia/General A importância de estar … 0 224 11/24/2023 - 10:17 Portuguese
Ministério da Poesia/General Se eu fosse eu 0 134 11/24/2023 - 10:15 Portuguese
Ministério da Poesia/General Má Casta 0 294 11/24/2023 - 10:14 Portuguese
Ministério da Poesia/General Neruda Passáro 0 217 11/24/2023 - 10:12 Portuguese
Ministério da Poesia/General Pouco sei, pouco faço 0 156 11/24/2023 - 10:11 Portuguese
Ministério da Poesia/General Do que tenho dito … 0 310 11/24/2023 - 10:09 Portuguese