CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

De viés

Eficazmente lhe é dado a ela o cair da noite na prenhez intumescente
Do termo final escrito ao nu em pele de tinta que derrete e se borra
Ao suor salgado laivo esvoaçado contra a fina água do globo.

Um lento movimento talvez
Um suave ontem violentado pelo hoje
Seta que estaca um rumo presto conducente na curva do cotovelo.

Tão exímio pulas para fora do ventre e se esquiva da mãe
Que te bombardeia com lábios de beijo ao pincelar
Do vermelho amor arrancado de dentro de seu ego
Na vida mais que sentida esperança da renascença.

Colhes ao fim da rua na tarde uma roupa do varal
E quando olhas para o lado percebes o versejar
Solto tentando cravar um sentimento na noite
Que não responde pela recém solidão carmínea
Derramada pela lua.

Agarras ao pó do que restou

Escalaste como palavra derretida a fogo,
Respiração resulta o beijo do ar
Entre os lábios do pulmão

Deita olhos por sobre um suspiro desmaiado
Até o tato alcançar a ranhura da pele
O perfume escalar um toque
E fecundar no canto que toda narina
É incapaz de esquivar-se

Submited by

terça-feira, dezembro 15, 2009 - 19:48

Ministério da Poesia :

No votes yet

Alcantra

imagem de Alcantra
Offline
Título: Membro
Última vez online: há 5 anos 20 semanas
Membro desde: 04/14/2009
Conteúdos:
Pontos: 1563

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of Alcantra

Tópico Título Respostas Views Last Postícone de ordenação Língua
Poesia/Amor Soma de poemas 5 750 02/27/2018 - 12:09 Português
Poesia/Geral Abismo em seu libré 0 943 12/04/2012 - 00:35 Português
Poesia/Geral Condado vermelho 0 1.225 11/30/2012 - 22:57 Português
Poesia/Geral Ois nos beijos 1 924 11/23/2012 - 11:08 Português
Poesia/Geral Dores ao relento 0 1.182 11/13/2012 - 21:05 Português
Poesia/Geral Memórias do norte 1 566 11/10/2012 - 19:03 Português
Poesia/Geral De vez tez cromo que espeta 0 1.142 11/05/2012 - 15:01 Português
Poesia/Geral Cacos de teus átomos 0 809 10/29/2012 - 10:47 Português
Poesia/Geral Corcovas nas ruas 0 1.289 10/22/2012 - 11:58 Português
Poesia/Geral Mademouselle 0 694 10/08/2012 - 15:56 Português
Poesia/Geral Semblantes do ontem 0 745 10/04/2012 - 02:29 Português
Poesia/Geral Extravio de si 0 826 09/25/2012 - 16:10 Português
Poesia/Geral Soprosos Mitos 0 1.380 09/17/2012 - 22:54 Português
Poesia/Geral La boheme 0 1.015 09/10/2012 - 15:51 Português
Poesia/Geral Mar da virgindade 2 657 08/27/2012 - 16:26 Português
Poesia/Geral Gatos-de-algália 0 1.349 07/30/2012 - 16:16 Português
Poesia/Geral Vidas de vidro num sutil beijo sem lábios 2 862 07/23/2012 - 01:48 Português
Poesia/Geral Vales do céu 0 712 07/10/2012 - 11:48 Português
Poesia/Geral Ana acorda 1 1.010 06/28/2012 - 17:05 Português
Poesia/Geral Prato das tardes de Bordô 0 689 06/19/2012 - 17:00 Português
Poesia/Geral Um sonho que se despe pela noite 0 794 06/11/2012 - 14:11 Português
Poesia/Geral Ave César! 0 1.683 05/29/2012 - 18:54 Português
Poesia/Geral Rodapés de Basiléia 1 859 05/24/2012 - 03:29 Português
Poesia/Geral As luzes falsas da noite 0 1.526 05/14/2012 - 02:08 Português
Poesia/Geral Noites com Caína 0 949 04/24/2012 - 16:19 Português