CONCURSOS:

Edite o seu Livro! A corpos editora edita todos os géneros literários. Clique aqui.
Quer editar o seu livro de Poesia?  Clique aqui.
Procuram-se modelos para as nossas capas! Clique aqui.
Procuram-se atores e atrizes! Clique aqui.

 

Worldartfriends - De volta à poesia

Ano 2010, o motivo que me faz dedilhar as vastas teclas deste teclado é justamente a tão falada, muitas vezes não entendida nem explicada poesia. É comum apanhar partes do tempo pretérito para tentar resgatar uma das mais potentes formas de expressão, se não a mais importante no intuito de traçar um paralelo sobre o que eras e o que é, se existe, onde está. Imaginar sobre o que lemos, o que às vezes ouvimos falar sobre o que foi o dom de escrever poemas e de como fora interessante e comum os poetas se encontrarem em bares boêmios para recitar seus versos que muitas das vezes eram polêmicos, como episódios da vida de Lord Byron, embalados por muita bebida e ópio, a vida precoce e totalmente poética de Álvarez de Azevedo, os de Verlaine e Rimbaud em Montmartre, Fernando Pessoa e seus heterônimos e até o suicídio “no labirinto de si próprio” de Francisco de Sá Carneiro com o lançamento da revista Orpheu para tentar o início do modernismo; e no Brasil a cena da Semana da Arte Moderna de 22 e muitos outros casos que todos que vivem neste mundo conhecem muito bem.

Fluíram pela correnteza do tempo vários anos até chegar o momento em que todos começaram a pensar que a poesia estava morta e enterrada em algum lugar, muitos diziam que quem a matou foi a tecnologia com o advento de diversas formas de informação e de entretenimento, como o rádio, a TV e mesmo assim alguns ainda anunciavam que o autor da facada final seria a Internet, outros até proferiram que o livro iria acabar. Pois bem, eu pensava e todos pensavam assim, porém surge do nada, não mais furtiva e totalmente renascida das cinzas a tão potente, poderosa, louca, poesia viva e sentida, daí pode-se perceber que tal arte é impossível de delir. Não falo de poemas de Power Point que todos amam, não, não isso, isso denigre um pouco a criação e rouba o mérito de produção de quem realmente a elabora, para tais fins acaba por assustar a poética da verdadeira poesia.

É comum ver uma boa escrita sendo rasgada na “cara” por editoras que só enxergam escritores nomeados ou do passado, estes só abrem as portas àqueles apadrinhados, sendo assim impossível de visualizar as novas técnicas, métricas e tendências. Aqui vai a maior e mais severa de todas as raivas: é nojento passar nas livrarias, tanto faz nas pequenas ou nas grandes para ver nas vitrines os livros da indústria do dinheiro expostos. Estes são os livros de ficção que vão para o cinema como a saga Crepúsculo, Harry Porter, os escritos por Dan Brown e muito mais. A cólera máxima fica para os livros de auto-ajuda que não tem nada de autoajuda e sim de heteroajuda. É quase impossível ver um livro de poesia numa vitrine, muito raramente no Brasil vemos um, pode-se avistar algum reeditado, mas nunca um livro cujo autor seja da atualidade. Sei que o grande fetiche da poesia é o seu mistério, mas há algo nos dias de hoje que a torna ponderável. É com honra e sinceridade que deixo aqui a marca Worldartfriends, um dos sites que considero mais relevantes no ramo da cultura, principalmente poesia, possuindo para tanto uma visão aguçada na descoberta de novos talentos e qualidade editorial.

É destes mares virtuais de ondas limpas que esta dama navega no âmago de cada ser trazendo uma beleza estranha debruçada no mundo como virgem louca para saber da vida... as coisas da vida.

Submited by

sexta-feira, fevereiro 19, 2010 - 23:48

Críticas :

No votes yet

Alcantra

imagem de Alcantra
Offline
Título: Membro
Última vez online: há 5 anos 20 semanas
Membro desde: 04/14/2009
Conteúdos:
Pontos: 1563

Add comment

Se logue para poder enviar comentários

other contents of Alcantra

Tópico Título Respostas Views Last Postícone de ordenação Língua
Poesia/Amor Soma de poemas 5 750 02/27/2018 - 12:09 Português
Poesia/Geral Abismo em seu libré 0 943 12/04/2012 - 00:35 Português
Poesia/Geral Condado vermelho 0 1.225 11/30/2012 - 22:57 Português
Poesia/Geral Ois nos beijos 1 924 11/23/2012 - 11:08 Português
Poesia/Geral Dores ao relento 0 1.182 11/13/2012 - 21:05 Português
Poesia/Geral Memórias do norte 1 566 11/10/2012 - 19:03 Português
Poesia/Geral De vez tez cromo que espeta 0 1.142 11/05/2012 - 15:01 Português
Poesia/Geral Cacos de teus átomos 0 809 10/29/2012 - 10:47 Português
Poesia/Geral Corcovas nas ruas 0 1.289 10/22/2012 - 11:58 Português
Poesia/Geral Mademouselle 0 694 10/08/2012 - 15:56 Português
Poesia/Geral Semblantes do ontem 0 745 10/04/2012 - 02:29 Português
Poesia/Geral Extravio de si 0 826 09/25/2012 - 16:10 Português
Poesia/Geral Soprosos Mitos 0 1.380 09/17/2012 - 22:54 Português
Poesia/Geral La boheme 0 1.015 09/10/2012 - 15:51 Português
Poesia/Geral Mar da virgindade 2 657 08/27/2012 - 16:26 Português
Poesia/Geral Gatos-de-algália 0 1.349 07/30/2012 - 16:16 Português
Poesia/Geral Vidas de vidro num sutil beijo sem lábios 2 862 07/23/2012 - 01:48 Português
Poesia/Geral Vales do céu 0 712 07/10/2012 - 11:48 Português
Poesia/Geral Ana acorda 1 1.010 06/28/2012 - 17:05 Português
Poesia/Geral Prato das tardes de Bordô 0 689 06/19/2012 - 17:00 Português
Poesia/Geral Um sonho que se despe pela noite 0 794 06/11/2012 - 14:11 Português
Poesia/Geral Ave César! 0 1.683 05/29/2012 - 18:54 Português
Poesia/Geral Rodapés de Basiléia 1 859 05/24/2012 - 03:29 Português
Poesia/Geral As luzes falsas da noite 0 1.526 05/14/2012 - 02:08 Português
Poesia/Geral Noites com Caína 0 949 04/24/2012 - 16:19 Português